O Presidente russo, Vladimir Putin, confirmou esta quinta-feira que existiu um plano para que tivesse duplos encarregados de substituí-lo em eventos potencialmente perigosos, uma possibilidade que garantiu ter recusado.

“É o verdadeiro (Putin)?”, perguntou um jornalista da agência pública TASS. “Sim”, respondeu o Presidente russo, durante uma entrevista a propósito dos seus 20 anos no poder.

A pergunta é sustentada por inúmeras teorias, que circulam sobretudo online, que questionam se Putin tem um sósia. “Recusei-me a ter duplos”, salientou Putin, confirmando, no entanto, que essa possibilidade lhe foi proposta.

“Foi nos momentos mais difíceis da luta contra o terrorismo”, no início dos anos 2000, indicou o Presidente, quando a Rússia estava em guerra com um movimento de independência islâmica na Chechénia e na região do Cáucaso.

Após a sua nomeação como primeiro-ministro no final de 1999, Vladimir Putin lançou a segunda guerra chechena, que levou à reconquista do exército russo dessa antiga república soviética.

“Então o seu duplo teria ido onde era perigoso?”, questionou o repórter da TASS. “Ele teria ido lá, sim, teria aparecido”, confirmou Putin.

Entre teorias da conspiração que circulam na Internet há até as que alegam que o verdadeiro Vladimir Putin está morto e foi substituído por um sósia.

Entre as justificações evocadas: o rosto visivelmente pouco afetado aos 67 anos ou ainda o seu conhecimento às vezes hesitante do alemão, enquanto Vladimir Putin trabalhou na Alemanha de leste como agente da KGB, os serviços secretos soviéticos.