Os clientes querem SUV e até mesmo as marcas mais reputadas, em termos de superdesportivos, tiveram de se render a essa evidência. A Aston Martin projectou o DBX, a Ferrari prepara-se para lançar o Purosange (a denominação está em tribunal), mas a Lamborghini teve a lucidez (e o devido proveito) de ser a primeira a embarcar nessa aventura. Fê-lo com o Urus, um modelo que a insígnia de Sant’Agata Bolognese promove como não tendo sequer concorrente, por se tratar do primeiro “super SUV”.

Lamborghini Urus prova que é um “canhão” na Nazaré

Conforme tivemos oportunidade de testar na Nazaré, esta proposta concilia um misto de desportivo com familiar aventureiro e já deu provas de ser um sucesso comercial, sendo mesmo o principal responsável pelo aumento de vendas do construtor italiano, com os clientes a lidarem sem problemas com um tempo de espera que ronda os nove meses.

Lamborghini vende como nunca. Urus é o recordista

Porém, a Mansory fez questão de elevar mais fasquia e provar que o já de si radical Urus pode ser ainda mais “atrevido”. Para tal, o preparador alemão concebeu um kit aerodinâmico pouco recomendável a condutores que queiram passar despercebidos…

Além de mais encorpado, o Urus da Mansory destaca-se por uma série de adições à carroçaria em fibra de carbono, sendo evidentes alterações como o novo pára-choques frontal, os spoilers e o gigantesco escape traseiros, bem como as cavas das rodas e as jantes de desenho distinto. Tudo isto para evidenciar a maior das transformações: é que o respeitável V8 biturbo foi puxado dos 650 cv originais para 810 cv de potência e 1.000 Nm de binário (antes 850 Nm), que permitem ao SUV do preparador baixar dos anteriores 3,6 para 3,2 segundos de 0 a 100 km/h, antes de atingir uma velocidade máxima de 330 km/h (contra os 305 km/h standard).