Os clientes querem SUV e até mesmo as marcas mais reputadas, em termos de superdesportivos, tiveram de se render a essa evidência. A Aston Martin projectou o DBX, a Ferrari prepara-se para lançar o Purosange (a denominação está em tribunal), mas a Lamborghini teve a lucidez (e o devido proveito) de ser a primeira a embarcar nessa aventura. Fê-lo com o Urus, um modelo que a insígnia de Sant’Agata Bolognese promove como não tendo sequer concorrente, por se tratar do primeiro “super SUV”.

Conforme tivemos oportunidade de testar na Nazaré, esta proposta concilia um misto de desportivo com familiar aventureiro e já deu provas de ser um sucesso comercial, sendo mesmo o principal responsável pelo aumento de vendas do construtor italiano, com os clientes a lidarem sem problemas com um tempo de espera que ronda os nove meses.

Porém, a Mansory fez questão de elevar mais fasquia e provar que o já de si radical Urus pode ser ainda mais “atrevido”. Para tal, o preparador alemão concebeu um kit aerodinâmico pouco recomendável a condutores que queiram passar despercebidos…

Além de mais encorpado, o Urus da Mansory destaca-se por uma série de adições à carroçaria em fibra de carbono, sendo evidentes alterações como o novo pára-choques frontal, os spoilers e o gigantesco escape traseiros, bem como as cavas das rodas e as jantes de desenho distinto. Tudo isto para evidenciar a maior das transformações: é que o respeitável V8 biturbo foi puxado dos 650 cv originais para 810 cv de potência e 1.000 Nm de binário (antes 850 Nm), que permitem ao SUV do preparador baixar dos anteriores 3,6 para 3,2 segundos de 0 a 100 km/h, antes de atingir uma velocidade máxima de 330 km/h (contra os 305 km/h standard).