O autoproclamado Estado Islâmico publicou um documento com diretrizes para os seus fiéis lidarem com a pandemia de Covid-19, sendo que os itens, que se baseiam na lei islâmica (sharia), passam por evitar viagens dos terroristas à Europa, avançou o El Mundo. O ISIS considera que a propagação do novo coronavírus pode ser evitada se os seus conselhos forem seguidos.

O infográfico que aparece na última edição do Al Naba, uma publicação semanal escrita em árabe que serve para informar a organização, foi traduzido pelo analista Aymenn Jawad Al-Tamimi.

Segundo o especialista britânico, as “diretrizes da sharia para combater uma epidemia” recorrem às superstições comuns na época do profeta: “A obrigação da fé de que as doenças não atinjam por si mesmas, mas por ordem de Deus”.

Neste sentido, é incutido pelos teólogos do grupo “confiar em Deus e buscar nele o refúgio de doenças”. Para além da oração, o Estado Islâmico incentiva os seus fiéis a “tomarem medidas para se protegerem e evitarem doenças”.

“Aqueles que são saudáveis não devem entrar em terra de epidemias e os aflitos não devem sair dela”, aconselha o ISIS após a Europa ter sido afetada pelo Covid-19, acrescentando que a medida não pretende limitar ataques realizados por células que residam no continente europeu.

A organização terrorista relembra ainda a importância de se “cobrir a boca ao bocejar e espirrar” tal como Maomé “pôs a mão ou pedaço de pano sobre a boca ao tossir e, assim, reduziu ou diminuiu a voz”.