A bíblia do social em solo britânico concede a Kate Middleton a honra de capa na edição de julho/agosto. “Catarina, a Grande” é a coroa que faltava no extenso perfil traçado em tempo de desafios acrescidos trazidos pela pandemia, com o moral dos súbditos a beneficiarem, segundo a publicação, do ascendente de figuras como a duquesa de Cambridge. Mas claro que nem só de inspirações vive o artigo, que naturalmente viaja por alguns dos detalhes mais sumarentos no passado recente da mulher do futuro rei de Inglaterra. Detalhes esses que não passam ao lado das polémicas, incluindo a sempre tensa relação com a cunhada, Meghan Markle.

© Tatler

Um episódio em particular devolve-nos aos preparativos do casamento dos Sussex e a um comentado desentendimento entre ambas. “Houve um incidente nos ensaios”, confidenciou à revista um amigo dos Cambridge. “Era um dia quente e aparentemente tiveram uma discussão sobre se os pajens e damas de honor deviam ou não usar collants. Kate, de acordo com o protocolo, achava que sim. Meghan não queria. As fotografias sugerem que Meghan ganhou”.

Acenos, mãos dadas e um sorriso desdentado: os pajens e as damas de honor do casamento real

Seis crianças de pernas livres de meias é que o revelam as imagens dessa cerimónia em capela de St George, em Windsor, em maio de 2018, ao contrário dos ecos que surgem de abril de 2011, quando Kate e William trocaram alianças e a etiqueta foi mantida. Apenas um de vários sinais do mau estar que foi ganhando terreno entre duquesas enquanto os Sussex ainda viviam no Reino Unido. E uma gota no longo especial que analisa a personalidade da duquesa.

Kate e Meghan apareceram lado a lado e a conversar e os rumores desapareceram

Ainda em matéria de revelações, outra fonte próxima de Kate confirma o seu nível de exaustão desde que Harry e Meghan abandonaram as funções de membros séniores da família real, ditando ainda o reforço da agenda da futura rainha. “Kate está furiosa com o excesso de trabalho. É claro que surge sorridente e vestida de forma apropriada mas não gosta disso. Sente-se esgotada e encurralada. Está a trabalhar tanto como um CEO de topo”.

Apesar do tom dominante de aprovação em relação Kate, nem tudo são rosas e esses espinhos na personalidade da duquesa também são mencionados, pela voz daqueles que menos simpatizam com a sua postura. “Não acredito que alguma vez Kate tenha orientado Meghan”, admite um amigo, lembrando com os Cambridge sempre foram muito circunspetos desde o começo em relação a Meghan, algo que magoou Harry.

A edição que chega às bancas esta quinta-feira, 28 de maio, navega ainda pela relação de lealdade com a rainha, pela restrita e ilustre tribo de amigos e pelos níveis de adoração junto do público, não idênticos aos de Lady Di mas com uma generosa legião de seguidores.