534kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Sentia a confiança de toda a estrutura, uns minutos depois disse que ninguém o queria: a última flash de Bruno Lage

Este artigo tem mais de 2 anos

12 jogos, duas vitórias. 30 pontos, dez ganhos. Duas partidas, seis golos sofridos – tantos como na primeira volta toda. Bruno Lage não resistiu aos resultados mas a saída teve mensagens distintas.

Bruno Lage trocou meia equipa para jogo com o Marítimo, entre opções, castigos e lesões, mas voltou a perder com um conjunto insular
i

Bruno Lage trocou meia equipa para jogo com o Marítimo, entre opções, castigos e lesões, mas voltou a perder com um conjunto insular

LUSA

Bruno Lage trocou meia equipa para jogo com o Marítimo, entre opções, castigos e lesões, mas voltou a perder com um conjunto insular

LUSA

– Temos uma entrada muito boa no jogo, criámos várias oportunidades na cara do guarda-redes, podíamos ter chegado ao intervalo a vencer por dois ou por três. Entrámos bem depois do intervalo, o tempo foi passando, vamos mexendo porque precisávamos de vencer, mas depois o Marítimo faz dois excelentes contra ataques que nos apanharam desequilibrados. Não conseguimos marcar e acabámos por ser muito penalizados no resultado pelas oportunidades que tivemos e que não concretizámos na primeira parte, começou por dizer Bruno Lage.

Zivkovic abriu a avenida e Bruno Lage ficou num beco sem saída (a crónica do Marítimo-Benfica)

– A luta pelo título está cada vez mais difícil, se o FC Porto conseguir vencer?
– Ouça, nós temos é de nos preocupar connosco…

– Há pouco Pizzi dizia aqui que os jogadores estão com o treinador e que não perdeu qualidade, a verdade é que desde a derrota no Dragão são duas vitórias, quatro empates e quatro derrotas. Para quem está de forma, é difícil perceber o que é que se passa… 
– Olhe, é como lhe digo, é assumir a total responsabilidade do que tem acontecido…

– Os jogadores estão consigo, a Direção também está?
– Os jogadores estão comigo e estamos todos no mesmo barco. É como lhe digo, tenho sentido o apoio de toda a gente no clube desde a primeira hora até sempre. Sinto o apoio de toda a gente, todos querem que tenha sucesso…

– Incluindo a Direção portanto.
– Todos, incluindo presidente, toda a estrutura, toda a gente.

– Que mossa faz ter sido falado durante toda a semana de um treinador para a próxima época?
– Nenhuma… Nenhuma… Nenhuma, nenhuma…

O primeiro “nenhuma” foi dito ainda na zona da flash interview, o segundo em andamento, o terceiro e quarto só se ouviram porque Bruno Lage já tinha abandonado aquela zona. No entanto, uns minutos depois, não foi isso que o treinador disse a Luís Filipe Vieira. “No final do jogo, o nosso treinador, com grande elevação, colocou o lugar à disposição. Disse que não achava que não tivesse qualidade ou capacidade para dar a volta mas que sabia que toda a gente queria que fosse embora. ‘Se aceitar, a partir de amanhã não serei treinador do Benfica'”, contou o líder dos encarnados em conferência. O pedido foi aceite e, ainda na Madeira, a saída foi confirmada.

Bruno Lage coloca lugar à disposição, Vieira aceita saída e chega-se à frente: “O único culpado sou eu”

As duas derrotas com as duas equipas insulares da Primeira Liga, Santa Clara e Marítimo, apagaram de vez tudo o que Bruno Lage tinha feito de bom ao longo de ano e meio. Alguns exemplos? 55 pontos em 57 possíveis que deram o triunfo no último Campeonato, a goleada ao Sporting na Supertaça, a presença na final da Taça de Portugal desta temporada, as 18 vitórias nos primeiros 19 jogos do presente Campeonato. Desde janeiro de 2019 que o Benfica não tinha um jogo em branco fora. Aí, em Portimão, foi o último jogo de Rui Vitória; agora, foi o de Lage.

Ainda assim, há outro dado estatístico que convém recordar além das duas vitórias nos últimos 13 jogos realizados, sendo que dez, a partir da derrota no Dragão, foram a contar para o Campeonato (em 30 pontos possíveis, os encarnados ganharam apenas dez desde essa partida com o FC Porto): nos derradeiros dois encontros, com Santa Clara e Marítimo, o Benfica sofreu seis golos. Ou seja, tantos como em toda a primeira volta da Liga.

Uma outra curiosidade: a última vez que os encarnados não tinham marcado no Funchal contra os insulares foi há quase 20 anos, quando o treinador era ainda José Mourinho (um mês depois acabaria por sair, após um triunfo em casa diante do Sporting por 3-0 com bis de João Tomás – sendo que a ida certa para Alvalade foi abortada).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.