A marca portuguesa Ernest W. Baker, cofundada pela dupla Inês Amorim e Reid Baker, vai desfilar no calendário oficial da Semana de Moda de Paris, que este ano se vai realizar entre os dias 9 e 13 de julho, apoiada sobretudo em ferramentas digitais.

“É aquilo que sempre trabalhámos para conseguir, porque é uma audiência muito grande. Toda a indústria mundial da moda vê e está atenta a Paris”, afirmou Inês Amorim, em declarações à agência Lusa. Devido à pandemia de Covid-19, esta Semana da Moda de Homem primavera-verão 2021 será atípica, com grande parte dos desfiles e apresentações a acontecer online.

Imagem da coleção primavera-verão 2020 da Ernest W. Baker

Esta é a primeira vez que uma marca nacional chega ao calendário oficial deste evento, indo além do programa de ações paralelas, ao lado de marcas como Louis Vuitton, Dior e Hermès, destacam os responsáveis. Para a estreia, marcada para a manhã do dia 10 de julho, a dupla optou por uma apresentação no formato de vídeo, que será difundida no próprio site do evento.

“Está aberto a cada marca decidir o que vai fazer e como apresentar. Pode ser através de desfile ou apresentação. Nós decidimos fazer fazer um vídeo com relação à marca, à cidade onde vivemos, Viana do Castelo, e, claro, com a nossa coleção”, indicou a criadora.

“Claro que é diferente não estar com as pessoas e não ver a reação à coleção. É diferente de um desfile. Mas temos de agarrar as oportunidades e fazer desta forma e tentar criar outro tipo de conteúdo, abrindo ao máximo a nossa criatividade”, explicou ainda Inês Amorim.

Milão e Paris querem desfiles. Nova Iorque reduz para três dias. O que esperar das grandes semanas da moda?

A coleção da marca nacional inspirou-se nas famílias dos dois criadores, tendo um tom “infantil” e “naïve”, com cores suaves. Tal como as apresentações, também os showrooms, onde os criadores entram em contacto com compradores de todo o mundo, vai fazer parte desta presença em Paris, o que levou a Ernest W. Baker a tentar representar “ao máximo” as suas peças através de fotografias da coleção.

Apesar do período de confinamento, a marca continuou a trabalhar na coleção para a próxima estação quente, completamente feita em Portugal. Algumas fábricas permaneceram abertas, daí que a produção não tenha sido afetada pela pandemia até ao momento. “As nossas vendas são feitas, na maior parte, em lojas e algumas fecharam. Mas estamos já a enviar a coleção de inverno e não tivemos encomendas canceladas. Os nossos maiores mercados são Japão, Itália, Estados Unidos”, concluiu Inês Amorim.

Em 2018, a Ernest W. Baker ficou entre os 20 semifinalistas dos prémios LVMH, o grupo francês que inclui marcas como Louis Vuitton, Celine e Christian Dior. Foi nesse ano que a marca lançou a sua primeira coleção. Atualmente, as peças são comercializadas na loja online e também na Farfetch, onde os preços vão dos 174 aos 739 euros.