114 anos, quarta vitória consecutiva, dizer definitivamente adeus ao 4.º lugar. O dia do Sporting era altamente redundante e dividia-se entre celebrações e objetivos: a celebração do 114.º aniversário do clube e os objetivos de chegar ao quarto resultado positivo seguido e ficar com cinco pontos em relação ao Sp. Braga, solidificando o terceiro lugar. Tudo isto culminava em Alvalade na noite desta quarta-feira, no jogo contra um Gil Vicente que na primeira volta venceu os leões em Barcelos.

Mais do que isso, celebrações e objetivos à parte, o Sporting tinha a oportunidade de continuar e confirmar o facto de ser a melhor equipa da retoma da Primeira Liga e chegar aos 13 pontos em 15 possíveis. Com o FC Porto, apesar da liderança isolada, a realizar exibições sofríveis e a acumular deslizes, o Benfica a ficar sem treinador nesta fase da temporada depois de duas derrotas seguidas e o Sp. Braga a também mudar de comando técnico entre uma fase pouco conseguida, os leões destacavam-se pela harmonia de resultados e a aparente tranquilidade que não deixava de largar algumas pistas positivas no que toca à próxima época.

Ficha de jogo

Mostrar Esconder

Sporting-Gil Vicente, 2-1

29.ª jornada da Primeira Liga

Estádio José Alvalade, em Lisboa

Árbitro: Rui Oliveira (AF Porto)

Sporting: Maximiano, Eduardo Quaresma, Coates, Borja, Ristovski, Matheus Nunes (Tiago Tomás, 81′), Wendel (Battaglia, 81′), Nuno Mendes, Rafael Camacho (Doumbia, 69′), Sporar (Joelson, 90+1′), Plata

Suplentes não utilizados: Renan Ribeiro, Ilori, Luís Neto, Miguel Luís, Pedro Mendes

Treinador: Rúben Amorim

Gil Vicente: Denis, Rodrigo, Rúben Fernandes, Ygor Nogueira, Claude Gonçalves, Soares, Baraye (Samuel Lino, 63′), João Afonso (Kraev, 79′), Lourency (Naidji, 87′), Rúben Ribeiro, Sandro Lima (Hugo Vieira, 87′)

Suplentes não utilizados: Bruno, Alex Pinto, Vítor Carvalho, Edwin Vente, Ahmed Isaiah

Treinador: Vítor Oliveira

Golos: Wendel (21′), Gonzalo Plata (49′), Rúben Ribeiro (gp, 90′)

Ação disciplinar: cartão amarelo a Samuel Lino (75′), a Ygor Nogueira (90+2′)

Ainda assim, e mesmo entre três vitórias seguidas e oito golos marcados contra três sofridos nesta retoma, a equipa de Alvalade não deixava de estar sob uma onda de azar no que toca a lesões. Luiz Phellype lesionou-se em janeiro e não vai voltar a estar disponível, Vietto também ficou de fora depois de ter sido um dos jogadores mais influentes nos primeiros jogos, Acuña ainda recupera de lesão, Mathieu terminou a carreira depois de um lance num treino e na última jornada foi Jovane Cabral a cair na sequência. O jovem jogador, que estava a ser o grande destaque do Sporting nas últimas semanas — marcou quatro golos em três jogos seguidos, dois deles de livre direto –, magoou-se no lance do primeiro golo que apontou ao Belenenses SAD, saiu logo ao intervalo e nem sequer estava nos convocados para a receção ao Gil Vicente. Depois de Vietto, Rúben Amorim voltava a perder aquele que era nesta altura o principal criativo da equipa.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.