Depois de o Conselho Europeu ter decidido aplicar sanções aos responsáveis do que diz ser uma “fraude eleitoral” na Bielorrússia, o presidente do país, Alexander Lukashenko, deu ordens às autoridades policiais para prenderem os organizadores dos protestos contra o regime que há dez dias enchem as ruas da capital, Minsk.

De acordo com o El País, Lukashenko disse ao conselho de segurança da Bielorrússia que a “desordem” em Minsk deverá chegar ao fim e deu ordens à polícia para reprimir os protestos. “As pessoas estão cansadas. Exigem paz e sossego”, afirmou, acrescentando que ordenou um reforço do controlo nas fronteiras para evitar a entrada de “tropas e armas”.

UE solidária com povo bielorrusso vai adotar sanções contra figuras do regime

Alexander Lukashenko, que está no poder há 26 anos, também pediu aos serviços secretos do país para identificarem os “canais de financiamento” dos protestos. E avisou os trabalhadores de meios de comunicação social públicos em greve que serão despedidos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O endurecimento do discurso do presidente bielorrusso acontece depois de os líderes europeus terem aumentado a pressão sobre Lukashenko, ao anunciarem sanções contra os responsáveis pela “fraude” nas eleições presidenciais e pela violência.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, deixou claro esta quarta-feira que não reconhece o resultado das eleições do passado dia 9 de agosto, por não terem sido “nem livres, nem justas“. No final de uma cimeira extraordinária de chefes de Estado e de Governo da UE, Charles Michel disse, em Bruxelas, que a mensagem “muito forte e unida” dos 27 para Minsk é “muito clara: a UE está solidária com o povo na Bielorrússia e não aceita a impunidade”. Por isso, anunciou, vai adotar “em breve” sanções contra “um número substancial de indivíduos responsáveis pela violência, repressão e fraude eleitoral”.

Cinco perguntas e respostas para entender o que se passa na Bielorrússia — e a razão do nervosismo de Lukashenko

“Estas eleições não foram nem livres nem justas. Não reconhecemos os resultados apresentados pelas autoridades bielorrussas. O povo da Bielorrússia merece melhor”, sublinhou Charles Michel.

Os protestos na Bielorrússia foram desencadeados após as eleições de 9 de agosto que, segundo os resultados oficiais, reconduziram o presidente Alexander Lukashenko para um sexto mandato, com 80% dos votos. A oposição denunciou a eleição como fraudulenta. Milhares de bielorrussos têm saído às ruas desde então, por todo o país, para exigir o afastamento de Lukashenko. E a candidata da oposição, Svetlana Tikhanovskaya, está refugiada na Lituânia de onde tem enviado mensagens de incentivo aos protestos.