Um cordão humano vai ser formado este domingo desde a capital da Lituânia até à fronteira com a Bielorrússia em solidariedade com os bielorrussos que tentam forçar a saída do Presidente desde a sua contestada reeleição a 9 de agosto.

O Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, tem enfrentado manifestações diárias e um movimento de greve convocado pela oposição, desde que foram anunciados os resultados que lhe atribuíram 80% dos votos, contra 10% de Svetlana Tikhanovskaia. A principal opositora está refugiada na Lituânia, país que acolhe muitos bielorrussos no exílio.

Professora de inglês de 37 anos, recente na política, Svetlana Tikhanovskaia transformou a campanha presidencial na Bielorrússia ao reunir multidões sem precedentes nos seus comícios e ganhar o apoio de outros oponentes.

Líder da oposição bielorrussa apela para unidade contra Lukashenko

A oposição denunciou a eleição presidencial como fraudulenta e milhares de bielorrussos saíram às ruas por todo o país para exigir o afastamento de Lukashenko, o que gerou uma violenta repreensão pelas forças de segurança, com quase sete mil pessoas detidas, dezenas de feridos e três mortos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na quarta-feira, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, afirmou que a UE está solidária com o povo da Bielorrússia e vai apoiá-lo, e que sancionará os responsáveis pela fraude nas eleições presidenciais e pela violência, pois “não aceita impunidade”.

Um dos maiores protestos da oposição na história da Bielorrússia realizou-se há uma semana, com várias dezenas de milhares de pessoas reunidas em Minsk para exigir a saída do chefe de Estado, mas o Presidente já rejeitou a possibilidade de realizar novas eleições presidenciais.