Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em 1979, surgia um Abarth exclusivo e irreverente, que conciliava carroçaria preta e pormenores dourados, mas que ia além da estética sofisticada, pois também o interior era muito “moderno” à época. Esse Escorpião ficou conhecido como A112 Abarth “Targa Oro” e dele foram apenas produzidas 150 unidades, o que torna cada exemplar particularmente disputado por coleccionadores. Ciente disso, a Abarth decidiu fazer uma edição especial do 595 que presta, justamente, tributo ao “Targa Oro”: o 595 Scorpioneoro mantém-se fiel ao homenageado, mas alarga o número de unidades produzidas até 2000, com um preço unitário que arranca nos 30.930€. Recorde aqui como era o A112 Abarth “Targa Oro”:

10 fotos

Por fora, este 595 dificilmente passará despercebido, pois elege o preto como cor dominante e realça essa escolha com muitos apontamentos a dourado, do escorpião no capot ao friso na carroçaria, sem esquecer as próprias jantes de 17”. Quem ache demais o toque de Midas, pode sempre optar (é mesmo um opcional) por jantes pretas – neste caso, com o escorpião ao centro, também em dourado. No interior, prossegue a atmosfera desportiva mas elegante, com o preto a voltar a ser o grande protagonista, dos bancos com estofos nessa cor e costas em material técnico para melhor acomodar o corpo num ritmo de condução mais desportivo, passando pelo tablier em Preto Scorpione com elementos em preto mate. E, em harmonia com o exterior, não faltam de novo detalhes com o brilho do ouro. Desde logo, na placa numerada que identifica o número da série limitada, elemento que se encontra em evidência no túnel central.

7 fotos

Quanto ao equipamento de série, tratando-se de uma edição especial, os conteúdos são “recheados”. Há que contar, entre outras coisas, com o sistema de infoentretenimento Uconnect HD com ecrã táctil de 7”, compatível com Apple CarPlay e Google Android Auto. O som também se faz ouvir no seu melhor, cortesia de um sistema BeatsAudio com 480 W de potência e altifalantes digitais de oito canais que, segundo a marca, é “capaz de reproduzir todo o espectro sonoro de uma gravação em estúdio”.

Sob o capot, a música fica entregue ao 1.4 T-jet com 165 cv e 230 Nm de binário máximo. Este motor a gasolina, com homologação Euro6D TEMP, está acoplado a uma caixa manual de cinco velocidades, mas opcionalmente pode ser equipado com transmissão sequencial robotizada comandável através de patilhas no volante. A relação peso/potência é de 6,5 kg/cv e a aceleração de 0 a 100 km/h cumpre-se em 7,3 segundos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR