O Governo dos Açores vai apresentar uma proposta da região, para o Plano Estratégico Nacional da Política Agrícola Comum (PEPAC), ainda que defenda um plano estratégico próprio, afirmou o secretário regional da Agricultura e Florestas.

“Na próxima semana, o Governo dos Açores vai remeter à Federação Agrícola dos Açores e a um conjunto de outras entidades ligadas ao setor um documento que contém uma análise de diagnóstico e um conjunto de eixos de intervenção que integrará o PEPAC, para a recolha de contributos”, adiantou João Ponte, citado em nota de imprensa.

O executivo açoriano defende, no entanto, que “os Açores, enquanto Região Ultraperiférica e com especificidades próprias, deveriam continuar a ter um Plano Estratégico próprio”.

A par da proposta para o PEPAC 2021-2027, o executivo irá desenvolver, em concertação com os agentes do setor, “as medidas do futuro programa de desenvolvimento rural, que serão alinhadas com as estratégias europeias, como seja ‘do prado ao prato’ ou da ‘biodiversidade 2030′”, menciona a nota.

O governante salientou o crescimento de 5% da PAC 2021, em relação à atual, e referiu que, apesar de ainda não serem conhecidas, o executivo açoriano espera que as verbas alocadas à região não sejam inferiores a esse crescimento, “dada a sua importância para se continuar a desenvolver a agricultura nos Açores”.

João Ponte apontou ainda que é preciso trabalhar em desafios como o fomento do desenvolvimento económico, o rejuvenescimento do setor, o reforço da produtividade e a modernização, o aumento da eficiência e a redução de custos.

Destacou ainda a necessidade de “aumentar o rendimento dos agricultores, garantir a sustentabilidade do setor nas suas diversas dimensões, garantir a segurança alimentar e dar respostas às alterações climáticas”.

Com um crescimento de 32% em área na atual legislatura, as áreas de diversificação agrícola “têm um grande potencial de crescimento, contribuindo para reforçar o autoabastecimento e aumentar as exportações”, sublinhou o governante, que elogiou “a resiliência dos agricultores e a força de um setor que nunca parou de produzir durante a pandemia”.

Para o futuro, numa altura em que se aproximam as eleições legislativas regionais, que se realizam a 25 de outubro, o secretário regional reiterou que o Governo dos Açores pretende “prosseguir com o investimento em caminhos, abastecimento de água e eletrificação das explorações, continuar a modernizar a rede regional de abate, bem como reforçar a aposta na formação dos agricultores”.