A audição aos 28 migrantes indocumentados que na terça-feira desembarcaram na ilha Deserta, em Faro, vai prosseguir na sexta-feira às 9h30, disse à agência Lusa fonte do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Todos os cidadãos estrangeiros, depois de identificados, foram informados pela juíza dos seus direitos e deveres. Quando questionados se pretendiam prestar declarações, alguns manifestaram essa intenção”, revelou o SEF sobre as audições por videoconferência esta quinta-feira realizadas pelo tribunal de Faro.

A mesma fonte adiantou que, por essa razão, a juiz responsável pelo caso marcou para as 9h30 de sexta-feira “a continuação da diligência judicial” que irá determinar as medidas cautelares a aplicar ao grupo de 28 migrantes, depois da entrada irregular em território português.

Dois dos elementos do grupo testaram positivo à Covid-19 e encontram-se isolados dos restantes elementos, que se “manterão para já” na Base de Apoio Logístico (BAL) da Proteção Civil em Quarteira, no concelho de Loulé, para onde todos foram transportados na terça-feira, após o desembarque na ilha Deserta.

Dois dos 28 migrantes que desembarcaram no Algarve com Covid-19

No grupo viajavam também um menor de 15 anos e três mulheres, uma delas grávida. As migrantes do sexo feminino encontram-se numa zona distinta à que acolhe os homens.

As audições judiciais aos 28 migrantes tiveram início esta quinta-feira às 11h, por videoconferência, a partir da BAL de Quarteira, depois de, na quarta-feira, o grupo ter sido sujeito à realização dos testes Covid-19 e avaliação médica.