A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) recomendou esta sexta-feira a dexametasona para o tratamento dos casos graves de Covid-19 que exigem a administração de oxigénio.

A decisão vem permitir que as empresas farmacêuticas que fabricam este medicamento, um corticoesteroide habitualmente utilizado noutras situações, solicitem que a utilização para o tratamento da Covid-19 nestes casos seja oficialmente incluída na sua autorização de comercialização.

Com base nos dados disponíveis, a EMA aprova o uso de dexametasona em adultos e adolescentes (maiores de 12 anos e com pelo menos 40 kg) cuja condição requer a administração de oxigênio”, afirma a agência num comunicado citado pela agência AFP.

Em particular, a EMA apoia a decisão nas conclusões do estudo RECOVERY, da Universidade de Oxford, que foram divulgados em junho.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Em pacientes intubados, 29% daqueles tratados com dexametasona morreram após 28 dias de tratamento, em comparação com 41% daqueles que não receberam o tratamento”, lembra a EMA. “Em pacientes que receberam oxigênio sem serem intubados, esses números foram de 23% com dexametasona e 26% sem”, acrescenta.

Por outro lado, “não foi observada redução do risco de morte nos pacientes que não receberam oxigênio”, conclui a EMA.

Além deste estudo sobre a dexametasona, uma série de estudos publicados a 2 de setembro na revista médica americana Jama mostrou que os medicamentos de toda a família dos corticosteróides podem reduzir a mortalidade em 21% após 28 dias em casos graves de Covid-19.

Nenhum outro medicamento demonstrou ainda efeitos significativos na redução da mortalidade, o que levou a Organização Mundial da Saúde a recomendar “o uso sistemático de corticosteróides em pacientes com forma grave ou crítica” da doença.