A 88ª edição das 24 Horas de Le Mans disputou-se este fim-de-semana no circuito de la Sarthe, em França, com a Toyota a vencer à geral e na categoria principal (LMP1), com oposição reduzida. Substancialmente mais disputada foi a categoria LMP2, em que se sagrou vencedora a equipa United Autosports, com apenas 30 segundos (ao fim de 24 horas) de avanço, com o trio de pilotos formado pelo português Filipe Albuquerque, Paul di Resta e Philip Hanson, que foram ainda 5º da geral aos comandos de um Oreca 07, equipado com um motor 4.2 V8, o que lhes permitiu sagrarem-se campeões do mundo de LMP2.

Mas se as categorias LMP1 e LMP2 disputaram os primeiros lugares, um pouco cá mais atrás ficaram os modelos que mais interessavam aos fabricantes, por derivarem mais de perto – e serem facilmente identificáveis – de carros de série. Referimo-nos à categoria LMGTE Pro, onde estiveram este ano presentes e a lutar pela vitória a Aston Martin, com o Vantage AMR, a Ferrari, com o 488 GTE Evo e a Porsche, com o 911 GTR.

Após 24 horas num traçado com 13,626 km, o vencedor foi o Aston Martin com o nº 97 que, ao fim de 346 voltas, ou seja, 4714 km, conseguiu amealhar a magra de vantagem de 1 minuto e 33 segundos sobre o segundo classificado, o Ferrari com o nº 51. A 3ª posição pertenceu a outro Aston Martin (nº 95), a três voltas dos primeiros, para o 4º lugar ficar na posse do Ferrari nº82, a sete voltas do primeiro da LMGTE Pro.

Com a Aston Martin a chamar a si as 1ª e 3ª posições (tendo igualmente vencido na categoria LMGTE Am, onde os pilotos não profissionais podem participar), esta edição das 24 Horas de Le Mans sagrou a marca britânica como indiscutível vencedora, com a Ferrari, que foi 2ª e 4ª, a ser uma digna adversária. Menos bem esteve a Porsche, que este ano teve uma prova para esquecer. Na categoria LMGTE Pro não foi além da 5ª posição, com o 911 GTR nº 91, a 11 voltas do líder.