Os responsáveis pela empresa Somincor manifestaram-se hoje “profundamente chocados e entristecidos” com a morte de um mineiro com cerca de 40 anos na mina de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde (Beja).

A vítima, um homem natural de Ourique, faleceu ao final da tarde de sexta-feira, na sequência de uma derrocada numa das galerias subterrâneas da mina, durante o desenvolvimento da operação.

“Estamos profundamente chocados e entristecidos com a sua morte e os nossos pensamentos estão com  a sua família neste momento difícil, à qual estamos a dar todo o apoio possível”, revelou a Somincor, concessionária das minas de Neves-Corvo, em comunicado enviado à Lusa. A empresa, propriedade da multinacional sueco-canadiana Lundin Mining, acrescentou que este acidente “reforça a importância” de manter o “foco na segurança e na salvaguarda da vida humana”. “Este é sempre o nosso foco principal: as pessoas”, frisou a concessionária.

O alerta para o acidente na mina de Neves-Corvo foi dado às 19:55 de sexta-feira, tendo sido mobilizados bombeiros e viaturas da corporação de Castro Verde, uma viatura de Suporte Imediato de Vida e a VMER, além da GNR, num total de oito elementos, apoiados por quatro veículos.

O óbito da vítima foi declarado no local e a Autoridade para as Condições do Trabalho contactada para averiguar as circunstâncias em que ocorreu o acidente.

O último acidente com vítimas mortais em Neves Corvo remontava a 26 de junho de 2015, quando um homem de 27 anos, trabalhador de uma empresa subcontratada, morreu na sequência da queda de uma plataforma elevatória na lavaria do zinco.