O Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) e a Associação Internacional para o Desenvolvimento (AID), instituições do Banco Mundial, vão dar 800 mil euros ao plano de Cabo Verde de prevenção e controlo à Covid-19.

A informação consta de um decreto, aprovado a 24 de setembro pelo Conselho de Ministros de Cabo Verde e publicado esta quinta-feira, em que o governo autoriza os termos de um financiamento adicional, na forma de subvenção ao “projeto de resposta de emergência” à Covid-19 no arquipélago, por parte das duas instituições, e ainda a assinar.

Trata-se de um subsídio adicional no valor de até cerca de 942 mil dólares (802 mil euros) atribuído ao Plano Nacional de Contingência de Prevenção e Controlo da Covid-19, que o governo cabo-verdiano lançou em março para implementar “atividades de prevenção, deteção e resposta” ao novo coronavírus, que registou então os primeiros casos.

O plano envolvia a libertação de verbas públicas para a aquisição de material de emergência médica e não médica, como luvas, máscaras cirúrgicas, viseiras ou ventiladores, reforçar a capacidade laboratorial do arquipélago, com o fornecimento de consumíveis essenciais, reagentes e stock de equipamentos para emergências, além da compra de equipamento médico, camas e equipamento cirúrgico.

“A subvenção é financiada por parte dos doadores do fundo fiduciário”, lê-se ainda na adenda aprovada pelo governo no acordo para este subsídio.

Cabo Verde regista um acumulado a 6.024 casos de covid-19 desde 19 de março, com 60 mortos por complicações associadas à doença.