O Kremlin negou esta terça-feira que a Rússia ou os seus serviços secretos tenham realizado ciberataques contra os Jogos Olímpicos, após as acusações do Reino Unido e dos Estados Unidos da América.

“Nem a Federação Russa nem os serviços especiais russos realizaram qualquer ataque cibernético, especialmente contra os Jogos Olímpicos”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, no decorrer de uma conferência de imprensa. O secretário de imprensa do presidente Vladimir Putin afirmou que a Rússia ou os serviços especiais russos estão sempre a ser acusados “de tudo e por todos” e atribuiu esta última acusação a uma “russofobia frenética”.

As autoridades britânicas acusaram na segunda-feira os serviços de inteligência militar da Rússia (GRU) de terem realizado ciberataques contra os organizadores dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio2020, bem como dos Jogos de Inverno de PyeongChang, na Coreia do Sul, em 2018.

Depois de ter sido impedida de participar, Rússia terá planeado ciberataque aos Jogos Olímpicos de 2020

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 e os Jogos Paralímpicos Tóquio2020 deveriam ter sido realizados no verão, no Japão, mas devido à pandemia de Covid-19 foram adiados para o próximo ano. Por sua vez, o Departamento de Justiça dos EUA indiciou formalmente seis agentes de inteligência russos no mesmo dia por vários ciberataques globais, incluindo durante as eleições presidenciais em França, em 2017, e os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, na Coreia do Sul.