A Mota-Engil anunciou esta sexta-feira ter concluído o acordo de parceria estratégica e de investimento com a China Communications Construction Company (CCCC), encaixando 169,4 milhões de euros com a entrada do novo acionista no capital do grupo.

Segundo informação divulgada ao mercado, “no âmbito do acordo, a Mota Gestão e Participações SGPS, S.A. (MGP), aceitou vender à CCCC 55 milhões de ações ao preço de 3,08 euros por ação”, o que perfaz 169,4 milhões de euros.

“A efetividade do acordo está, porém, dependente da verificação de várias condições precedentes, de índole legal e contratual, entre as quais se incluem a aprovação ou o consentimento por parte de diversas Entidade Públicas e a confirmação por parte da Comissão do Mercados de Valores Mobiliários (CMVM) de que o Acordo e as operações nele previstas não impõem para a CCCC a obrigação de lançamento de uma Oferta Pública de Aquisição”, lê-se no comunicado divulgado hoje.

Em breve, refere, a assembleia-geral da Mota-Engil será convocada em breve para autorizar o Conselho de Administração a aprovar o aumento de capital, nos termos e condições a decidir por este órgão no momento oportuno.

Os chineses da CCCC são uma das empresas que consta das “listas negras” americanas que impõe algumas limitações à realização de negócios nos Estados Unidos ou com empresas americanas. A Mota-Engil não tem presença no mercado norte-americano.

Quem são os chineses que querem a Mota-Engil? EUA impôs restrições à “Huawei das infraestruturas”