Em 14 dias, 58 concelhos subiram de nível de risco de transmissão do novo coronavírus. É pelo menos o que revelam os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) com os números de novas infeções acumuladas ao longo das últimas duas semanas por cada 100 mil habitantes nos 308 concelhos portugueses. Em 58 deles, as novas infeções por 100 mil habitantes aumentaram de tal forma que fez com que subissem no nível de risco de transmissão. Quatro deles (Freixo de Espada à Cinta, Marvão, Póvoa de Lanhoso e Armamar) subiram dois níveis e dois (Gavião e Mondim de Basto) subiram mesmo três níveis. No último balanço, Gavião tinha 398 casos por 100 mil habitantes e agora esse número subiu para 1.440 — é o concelho que teve uma maior variação.

Em contrapartida, houve 38 concelhos que baixaram o nível de risco. Desses, dois deles baixaram mesmo dois níveis. Figueira de Castelo Rodrigo tinha 1.468 por 100 mil habitantes e agora tem 806. Já Manteigas tinha 2.029 por 100 mil habitantes e agora tem 1.363 — é o concelho que teve uma maior variação negativa.

O concelho com mais casos por 100 mil habitantes é Freixo de Espada à Cinta, com mais 3.153 novos casos por 100 mil habitantes registados entre 12 a 25 de novembro. Foi o concelho que, neste período, registou mais novas infeções — e o único que ultrapassou a linha dos 3 mil novos casos por 100 mil habitantes.

Freixo de Espada à Cinta está assim muito afastado do segundo concelho com mais novos casos por 100 mil habitantes, entre 12 a 25 de novembro: é Lousada com 2.415 novas infeções. Segue-se Guimarães com mais 2.293, Fafe com mais 2.151 e Vila Nova de Famalicão com mais 2.107. Além destes quatro, todos os restantes concelhos do país estão abaixo das 2.000 novas infeções por 100 mil habitantes. A completar o top 10 de concelhos com mais novos casos por 100 mil habitantes está Paços de Ferreira com 1.985, Póvoa de Varzim com 1962, Trofa com 1.960, Felgueiras com 1.941 e Vizela com mais 1.937.

Há 19 concelhos que não tiveram qualquer variação entre as duas últimas semanas e as duas semana anteriores a essas: não registaram qualquer aumento ou diminuição de novos casos por 100 mil habitantes.

Há quase um mês que não havia tão poucos novos casos, mas internados atingem valor recorde

Correção: A tabela tinha os dados de 23 de novembro, foi corrigida com os dados de 30 de novembro.