A Volvo assinala os 20 anos de existência do seu Cars Safety Centre, um dos centros de colisão mais avançados do mundo à data da sua inauguração e que, ainda hoje, se mantém como um dos mais completos espaços para simular e investigar acidentes reais, de forma a conceber soluções que os possam evitar ou mitigar. Em média, é aí realizado por dia um crash test e muitos “vão além dos requisitos regulamentares”, com o intuito de manter a Volvo como referência em matéria de segurança automóvel.

A marca sueca, que tem por objectivo que “ninguém sofra acidentes graves ou lesões potencialmente fatais num Volvo novo”, sabe que esta meta se vai tornar mais complexa num futuro que se adivinha eléctrico e autónomo. E, por isso mesmo, diz estar a adaptar-se: “O Volvo Cars Safety Centre tem sido equipado e preparado especificamente para executar com segurança testes de colisão de automóveis eléctricos.”

Segundo o engenheiro de segurança da Volvo Cars, Thomas Broberg, estas instalações não conhecem limites. Ou, melhor, procuram sistematicamente ir para além deles. “O nosso compromisso com a segurança não é apenas para passar testes ou para obter as classificações mínimas exigidas. O nosso compromisso com a segurança passa por descobrir como e por que motivos os acidentes e as lesões ocorrem e, de seguida, desenvolver a tecnologia para ajudar a evitá-los”, destaca Broberg, realçando que qualquer cenário (de acidente) pode ser recriado no Volvo Cars Safety Centre e analisado “em detalhe”, pois todas as simulações físicas são filmadas com dezenas de câmaras de elevada definição que captam os impactos da colisão de todos os ângulos. A esse registo juntam-se ainda os dados recolhidos pelos sensores instalados quer nas barreiras quer nos dummies, para que a equipa técnica consiga descortinar ao mais ínfimo detalhe a sequência de movimentos.

Thomas Broberg, engenheiro da Volvo Cars especializado na área da segurança

No centro há duas pistas, uma com 154 metros de comprimento e outra com 108. A mais curta é móvel e passível de ser “posicionada em ângulos entre os 0 e os 90 graus, permitindo os testes de colisão em diferentes ângulos e velocidades”. Possibilita ainda a simulação de embates até 120 km/h, entre dois veículos – de recordar que, precisamente em nome da segurança, os novos Volvo estão limitados a 180 km/h de velocidade máxima.

Como pode ver no vídeo abaixo, os testes estendem-se ao exterior, num espaço onde são recriadas as situações mais extremas, de capotamentos a projecções para fora de estrada a alta velocidade. Foi aí, por exemplo, que a Volvo atirou 10 carros novos de uma altura de 30 metros, com a ajuda de um guindaste, para que as equipas de resgate possam agilizar os métodos de salvamento.