Os responsáveis pela Comissão Europeia abriram a porta para que as portagens das auto-estradas vejam o seu valor depender do nível de emissões dos veículos em causa. Esta possibilidade vai permitir reduzir o custo para os veículos menos ou nada poluentes, em termos de dióxido de carbono (CO2), mas penalizar mais os modelos com maiores emissões, tradicionalmente com mais potência ou mais peso.

A nova legislação europeia não surge como uma obrigação, mas sim como uma autorização para taxar de forma diferenciada os veículos consoante as suas emissões, abrindo a hipótese de cada país decidir como entender melhor, tendo em conta a necessidade de incentivar os condutores a optar por veículos que emitam menos CO2, idealmente eléctricos.

Francisco Ferreira, presidente da Associação Ambientalista Zero, ouça aqui:

“Pessoas começam a perceber que apesar de mais caros, elétricos compensam”, diz presidente da Zero

Para a Comissão Europeia, a possibilidade de reduzir o custo das portagens para veículos menos poluentes vai permitir reduzir em até 75% o valor a pagar por veículos eléctricos. A iniciativa surge como um incentivo para a renovação de frotas, trocando carros mais poluentes por outros mais amigos do ambiente.

Esta nova medida aprovada por Bruxelas surge no seguimento da reforma introduzida há dois anos, com o objectivo de incrementar os custos para os veículos pesados, autocarros e camiões, que deverá ser aplicada a partir de 2023.