439kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Rafa, um mestre no b(r)ilhar às três tabelas (a crónica do Benfica-Belenenses SAD)

Este artigo tem mais de 1 ano

Foi às três tabelas na defesa que Darwin fez o 1-0, foi às três tabelas no ataque que Rafa decidiu o jogo: com Deus em vez de Jesus, Benfica não precisou de milagres para vencer Belenenses SAD (3-0).

Rafa marcou e assistiu no mesmo jogo pela segunda vez na presente temporada, sendo o MVP do triunfo frente ao Belenenses SAD
i

Rafa marcou e assistiu no mesmo jogo pela segunda vez na presente temporada, sendo o MVP do triunfo frente ao Belenenses SAD

Rafa marcou e assistiu no mesmo jogo pela segunda vez na presente temporada, sendo o MVP do triunfo frente ao Belenenses SAD

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não é muito normal encontrar no discurso de Jorge Jesus a palavra “impotência”. Seja na palavra, seja na atitude, o treinador foi aprendendo ao longo de 30 anos da carreira iniciada no Amora a transformar fraquezas em forças, carências em abundância, problemas em soluções. Nem sempre ganhava, é certo, mas conseguia através da parte tática e das adaptações montar equipas que não só potenciassem os seus pontos fortes como fizessem disso a melhor forma de disfarçar eventuais fraquezas. Nas últimas duas semanas, e por mais do que uma vez, o treinador utilizou a palavra “impotência” que quis disfarçar na atitude. Sem sucesso. Até porque, ao longo de 30 anos da carreira iniciada no Amora, nunca teve de enfrentar problemas e desafios como aqueles que teve agora.

Primeiro, e numa fase inicial, os casos que se foram sucedendo entre o final de dezembro e o início de janeiro. Aí, o treinador não contou com o máximo de sete jogadores ao mesmo tempo mas, mais do que isso, frisou sempre que a paragem por dez dias dos infetados “obrigava” a que houvesse depois um período de retoma até à plenitude do ponto físico que tinham até à paragem. Depois, e mais recentemente, o surto que assolou o Seixal, com mais dez jogadores infetados entre quase 30 elementos de presidente a equipa técnica, passando por vários elementos do staff – e também a incerteza criada com a possibilidade de haver mais casos e a necessidade de haver treinos com o grupo separado. Agora, a situação do próprio Jesus, que após vários dias com sintomas como febre, alguma tosse e dores no corpo testando sempre negativo à Covid-19 viu confirmada uma infeção respiratória ainda com origem por determinar que o afastou do banco (contra a vontade do próprio) depois dos treinos.

Era neste contexto que, à semelhança do que já tinha acontecido no Flamengo numa deslocação à Bahia, João de Deus ocupava o lugar de Jesus como treinador principal (na altura por castigo). E tinha, também de acordo com as informações passadas pelo número 1 da equipa técnica, a missão de corrigir os erros cometidos frente ao Nacional para quebrar uma série de três jogos seguidos sem ganhar, entre Liga e Taça da Liga. Tão ou mais importante do que isso, a missão de garantir uma outra estabilidade em vantagem que faltou nos últimos jogos na Liga.

“Precisávamos muito de ganhar este jogo com o Nacional, por vários motivos. Não só para não ficarmos atrás dos nossos rivais mas também todo o ambiente que tem girado à volta da equipa. A equipa fez o suficiente para ter vencido, sem fazer um grande jogo, porque também não esperava um grande jogo, mas fez o suficiente (…) O futebol é cruel. Estás a ganhar, tens de matar o jogo, não podes sofrer golos fáceis como este. A inexperiência paga-se caro e foi isso que aconteceu no jogo”, comentou Jesus no final da igualdade com o Nacional, projetando também aquilo que falhou frente aos insulares e que teria de ser corrigido. E que não ficava apenas por aí.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mesmo sem vários jogadores que potencialmente seriam titulares, incluindo Vlachodimos e Everton que estariam a treinar até à véspera do jogo com os titulares mas que saíram das opções após testarem positivo à Covid-19, os encarnados conseguiram ter uma entrada asfixiante, a jogar no meio-campo dos insulares, a marcarem dois golos com um a ser anulado pelo VAR, a condicionarem por completo as saídas dos insulares. Depois, e passados apenas 15 minutos, tudo mudou: o ataque criou apenas uma ocasião flagrante e já no final, houve pouca velocidade, má exploração da profundidade e incapacidade de criar espaços entre linhas para os falsos alas ou um dos avançados. O Nacional empatou apenas na sequência de um canto mas se a defesa e a transição defensiva estiveram num bom plano, foi no habitualmente mais forte ataque que a máquina emperrou. E desbloquear esse ponto surgia como a chave para o Benfica chegar às meias-finais da Taça de Portugal, onde iria defrontar o Estoril.

Entre (demasiados) erros da defesa do Belenenses SAD, o Benfica chegou à vantagem, marcou dois golos em cinco minutos e decidiu praticamente aí um jogo que teve depois pouca história. Recordando uma das várias expressões típicas de Jesus nos treinos que tanto gosta de orientar e nesta fase está impedido de fazê-lo, quando são feitas combinações ofensivas rápidas e ao primeiro/segundo toque e fica a aplaudir dizendo que “parece bilhar”, as águias não tiveram ainda esses momentos de maior inspiração como chegou a haver no início da época (em Famalicão ou em Vila do Conde, por exemplo) mas, aproveitando um lance às três tabelas, partiram para uma exibição segura e com alguma gestão à mistura pensando no dérbi em Alvalade na segunda-feira, carimbando a passagem às meias e quebrando a série de jogos sem vitórias entre FC Porto, Sp. Braga e Nacional de forma natural. Rafa, esse, foi o maior destaque. Porque quando joga assim, em velocidade, aproveitando espaços entre linhas e fazendo aquela diagonais que ou dão assistência ou “tiram” faltas e amarelos, é o melhor intérprete do “bilhar” de Jesus.

Com cinco regressos à equipa, entre os quais quatro recuperados de Covid-19 (Gilberto, Vertonghen, Grimaldo e Waldschmidt) e um por opção (Gabriel), os primeiros dez minutos não tiveram oportunidades mas mostraram o bom e o mau no Benfica frente ao Belenenses SAD: quando os azuis conseguiam bloquear a saída de bola logo à entrada na área, roubando linhas de passe para haver ligação entre setores, os encarnados sentiam dificuldades em posse; quando os encarnados superavam essa fase e conseguiam colocar a bola nas unidades mais avançadas, os azuis sentiam grandes dificuldades perante a mobilidade dos atacantes contrários. Ainda assim, e no seguimento de uma saída atenta de André Moreira, foi Cassierra que deixou o primeiro sinal de perigo, conduzindo um contra-ataque 2×1 com remate em vez de assistência para Miguel Cardoso que Svilar conseguiu defender (13′).

[Clique nas imagens para ver os melhores momentos do Benfica-Belenenses SAD em vídeo]

A partir daí, não mais o Belenenses SAD chegou com perigo ao último terço, caindo depois numa série de erros próprios que vieram materializar o maior domínio do Benfica, com as diagonais em velocidade de Rafa a fazerem a diferença em paralelo com as subidas em posse de Taarabt e os movimentos de Darwin Núñez e Waldschmidt (que no primeiro tempo falhou algumas bolas fáceis depois do mérito de ser o único a pedir bola no espaço e não no pé). O primeiro golo, esse, foi digno dos “apanhados”: Gonçalo Silva atrasou de cabeça com força a menos, André Moreira saiu da baliza para tentar corrigir a situação, o desvio acabou por bater no defesa e Darwin Núñez só teve de encostar sozinho para a baliza (32′). E o segundo, tendo menos de Monty Phyton, foi também consentido pelos azuis, com Jardel a desviar ao segundo poste um canto na esquerda de Grimaldo e Rafa, saindo de trás, a ser mais rápido no lado contrário para tocar na pequena área para o 2-0 com que se chegaria ao intervalo (37′).

Para a segunda parte, João de Deus começou por lançar Pizzi no lugar de Waldschmidt e trocou depois Weigl por Gabriel. Durante 25 minutos, o jogo resumiu-se apenas à incapacidade do Belenenses SAD em chegar à área contrária e aos vários últimos passes do Benfica que não foram entrando para finalização. A primeira vez que isso aconteceu, deu golo: Pizzi abriu na direita para Rafa após mais uma perda dos azuis a meio-campo, o avançado fez a diagonal para dentro, colocou no espaço e Cervi, vindo de trás, picou por cima de André Moreira para o 3-0 (72′). Estava feito o resultado final entre mais uma oportunidade do recém entrado Chiquinho na noite em que Rafa voltou a ser o principal dínamo atacante do Benfica e Cervi pode ter feito a despedida da Luz.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.