Os principais índices de Wall Street fecharam a semana com novos recordes, concluindo uma semana de alta no mercado, com os investidores a prepararem-se para novas medidas de estímulo económico e otimistas com a vacinação nos EUA.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o seletivo Dow Jones Industrial Average avançou 0,09%, para os 31.458,99 pontos. Já o tecnológico Nasdaq progrediu 0,50%, para as 14.095,47 unidades, e o alargado S&P500 ganhou 0,47%, para as 3.934,93. No conjunto da semana, o S&P500 valorizou 1,2%, o Dow Jones 0,9% e o Nasdaq 1,7%.

“Sabemos que [Joe] Biden vai fazer avançar o seu plano de ajuda à economia rapidamente”, sublinhou Gregori Volokhine, da Meeschaert Financial Services, a propósito dos 1,9 biliões (milhão de milhões) de dólares (1,6 biliões de euros) que o presidente dos EUA quer ter disponíveis o mais depressa possível, para apoiar famílias e empresas afetadas pela crise económica.

“Começamos também a saber que, aos poucos, os [norte-]americanos estão a ser vacinados, o que é muito satisfatório. Antes do verão, uma grande maioria dos [norte-]americanos que o queiram vai ser vacinada”, acrescentou.

Wall Street em níveis recorde à boleia do plano de relançamento económico

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na quinta-feira, Biden anunciou que os EUA tinham comprado 200 milhões de doses suplementares de vacinas contra o novo Coronavirus, das quais metade à Moderna e outro tanto à Pfizer. A progressão semanal da praça nova-iorquina, contudo, foi aos soluços, perante a ausência de um grande elemento catalisador.

“Uma vez que já tiveram a sua dose de esperança, os investidores querem ver agora resultados e crescimento”, resumiu Volokhine. Símbolo destas expectativas, o grupo Walt Disney, que integra o Dow Jones, viu a sua ação descer 1,7%, depois de ter apresentado os seus resultados trimestrais na noite de quinta-feira.

Se este conglomerado da área da diversão pode contar com o crescimento fortíssimo dos seus serviços de transmissão, em particular do Disney+, os seus lucros foram pesadamente afetados pelo impacto da pandemia e caíram. Entre os outros valores do dia, os das principais petrolíferas subiram, ExxonMobil (0,6%), Chevron (1,6%) e ConocoPhillips (1,4%) , beneficiando da progressão das cotações do dito ouro negro.

Não obstante, estas petrolíferas viram a sua notação financeira revista em baixa pela agência S&P Global Ratings, penalizadas, à imagem do conjunto do setor, pela subida das energias renováveis, pelas raças margens de lucro e pela volatilidade pela cotação do barril.

Na frente dos indicadores, a confiança dos consumidores dos EUA caiu no início de fevereiro, devido à baixa dos rendimentos nas famílias com menores recursos, segundo a estimativa preliminar do inquérito da Universidade do Michigan publicado.

Na segunda-feira, Wall Street vai estar fechada por ser feriado, o Dia do Presidente.