Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Benfica SAD anunciou no Relatório e Contas do primeiro semestre do exercício de 2020/21 os montantes globais pagos nas operações de cinco dos reforços para a presente época. Darwin Núñez, avançado uruguaio contratado ao Almería, foi confirmado como o maior investimento de sempre dos encarnados, havendo ainda mais uma entrada para esse ranking: contabilizando todas as contrapartidas por saldar no acordo com o Grémio, Everton, extremo internacional brasileiro do conjunto de Porto Alegre, tornou-se a segunda maior contratação de sempre, superando os 21,8 milhões de euros que a sociedade pagou em duas tranches ao Atl. Madrid por Raúl Jiménez.

Benfica SAD apresenta lucro de 8,2 milhões no primeiro semestre, mantém resultado operacional positivo mas aumenta passivo em 30,4%

“Os aumentos ocorridos no período de seis meses findo em 31 de dezembro de 2020 resultam, principalmente, da: aquisição dos direitos de inscrição desportiva e económicos do jogador Darwin Nuñez, num investimento total de 25.020 milhares de euros, que engloba a aquisição dos referidos direitos, os encargos com serviços de intermediação, os encargos com o Mecanismo do Fundo de Solidariedade e o efeito da atualização financeira tendo em consideração os planos de pagamento estipulados; aquisição dos direitos de inscrição desportiva e económicos do jogador Everton, num investimento total de 22.005 milhares de euros, que engloba a aquisição dos referidos direitos, os encargos com serviços de intermediação e os encargos com o Mecanismo do Fundo de Solidariedade”, explica a página 32 do Relatório e Contas do primeiro semestre enviado esta sexta-feira à CMVM.

Em paralelo, a aquisição dos direitos de inscrição desportiva e económicos do jogador Pedro da Silva (Pedrinho) teve “um investimento total de 17.098 milhares de euros, que engloba a aquisição dos referidos direitos, os encargos com serviços de intermediação e o efeito da atualização financeira tendo em consideração os planos de pagamento estipulados; a de Waldschmidt teve “um investimento total de 16.017 milhares de euros, que engloba a aquisição dos referidos direitos, os encargos com serviços de intermediação, os encargos com o Mecanismo do Fundo de Solidariedade e o efeito da atualização financeira tendo em consideração os planos de pagamento estipulados; e a de Otamendi teve “um investimento total de 15.158 milhares de euros, que engloba a aquisição dos referidos direitos, os encargos com serviços de intermediação e o efeito da atualização financeira tendo em consideração os planos de pagamento estipulados”, acrescentou a missiva dos encarnados.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Assim, e só nos cinco jogadores supracitados que o Benfica contratou para a presente temporada, houve um total de investimento de 93,5 milhões, a que se juntaram ainda os custos das restantes aquisições.

Além de Darwin Núñez, Everton, Pedrinho, Luca Waldschmidt e Otamendi, os encarnados asseguraram também a contratação de Gilberto (três milhões de euros), Helton Leite (1,5 milhões), Jan Vertonghen (livre, havendo um pagamento de prémio de assinatura) e Jean Todibo (cedido pelo Barcelona e que entretanto já deixou a Luz). Já Lucas Veríssimo, que chegou no mercado de transferência de janeiro, entrará apenas nas contas do terceiro trimestre e nas contas finais do Relatório e Contas referente à temporada 2020/21.