455kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

O Dia(s) chegou: Rúben estreia-se a marcar na Premier (ao 11.º remate) e City consegue 20.ª vitória consecutiva

Este artigo tem mais de 1 ano

Já tinha evitado um lance de perigo, ficou com uma ferida visível no joelho mas foi à área contrária marcar primeiro golo pelo Manchester City antes de John Stones fechar as contas com West Ham (2-1).

Rúben Dias, que estava com problemas no joelho esquerdo após um lance anterior, inaugurou o marcador antes de John Stones fazer o 2-1
i

Rúben Dias, que estava com problemas no joelho esquerdo após um lance anterior, inaugurou o marcador antes de John Stones fazer o 2-1

Rúben Dias, que estava com problemas no joelho esquerdo após um lance anterior, inaugurou o marcador antes de John Stones fazer o 2-1

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Mais um jogo, mais uma vitória, mais um objetivo quase superado. O encontro do Manchester City frente ao B. Mönchengladbach, que terminou com o 19.º triunfo consecutivo dos ingleses e pé e meio nos quartos da Liga dos Campeões, voltou a ter os três portugueses em destaque e desta vez com influência direta nos dois golos apontados frente aos alemães. Se Bernardo Silva atravessa o melhor momento da temporada depois de um arranque discreto, João Cancelo mostra todas as semanas uma enorme evolução como jogador, capaz de interpretar vários papéis e nos três corredores mediante a estratégia definida. E Pep Guardiola desfez-se em elogios à dupla.

Cancelo joga, Bernardo marca, Rúben assiste (literalmente): Manchester City soma 19.ª vitória seguida com portugueses em destaque

“O Cancelo só tem de melhorar às vezes na parte de saber melhor quando não deve correr riscos mas é um jogador muito inteligente e dá-nos algo especial para nos fazer jogar. Fiquei muito feliz com as suas duas assistências no último terço. É um jogador com imensa qualidade, a sua condição física é impressionante”, comentou o treinador espanhol sobre o lateral. “O Bernardo é muito bom nos cabeceamentos. Muito bom! Vejo isso nos treinos. Quando fazes aquele movimento de cabecear, tens de usar o corpo todo, não apenas a cabeça. Ele usa muito bem o pescoço e também o resto do corpo. É um bom cabeceador, honestamente. Sei disso e o golo foi fantástico. A forma como finalizou e especialmente sendo um médio ofensivo, ao chegar à área daquela forma. O Bernardo e o Gündogan têm esta qualidade especial de chegar à área para finalizar”, salientou em relação ao esquerdino.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De Rúben Dias, em específico, não falou após esse encontro mas a ideia sobre o central tinha sido partilhada antes, a ponto de comparar o impacto da contratação do defesa ao Benfica com a chegada e consolidação de Virgil van Dijk no Liverpool. “Ele não é apenas um jogador que joga bem, faz os outros jogadores jogarem bem também. São 90 minutos a falar, 90 minutos a comunicar com os colegas, 90 minutos a dizer o que eles têm de fazer em cada ação. Quando isso acontece, fica difícil para mim questioná-lo. É intocável. Ele não precisa da minha confiança para o motivar. Ele diz-me: ‘Sei a minha qualidade, sei o que valho e vou mostrar isso a todos na Premier League'”, disse no início do mês, abordando aquela que considerou ter sido uma das melhores contratações que fez na carreira como treinador e que aponta como sucessor de Kompany como líder do setor recuado dos citizens.

Os números também ajudam a explicar isso mesmo. Desde o triunfo em Southampton, onde o Manchester City teve de sofrer para conseguir os três pontos que lhe valeram a meio de dezembro a ascensão aos lugares europeus, a equipa consentira só seis golos em 19 partidas, quase todas com Rúben Dias como titular tendo John Stones ou Laporte na sua companhia. Este sábado, em que foi o único português entre os titulares perante as sete alterações promovidas em relação ao último encontro (ficaram apenas Ederson, Kyle Walker, Rúben Dias e Gündogan), fez mais do que liderar. E o primeiro golo na Premier League abriu a 20.ª vitória consecutiva da equipa, naquele que foi o seu 11.º remate desde que chegou ao Campeonato inglês depois de marcar… no Benfica.

No entanto, o jogo frente ao West Ham foi tudo menos fácil, como se percebeu logo na primeira parte. A equipa londrina de David Moyes, que tem sido uma das grandes revelações da temporada em Inglaterra, voltou a mostrar a capacidade de jogar contra as melhores formações mesmo abdicando da posse e apostando nas transições com Lingard, Fornals e Michail Antonio como referências ofensivas. Em 45 minutos, o Manchester City, com pouca ligação do meio para a frente e o tridente Mahrez-Ferran Torres-Kun Agüero muito apagado, fez apenas dois remates, sendo que um deles, à meia hora, resultou no primeiro golo, com Rúben Dias a desviar ao segundo poste de cabeça um cruzamento teleguiado de pé esquerdo de Kevin de Bruyne. No entanto, e ainda antes do intervalo, Michail Antonio fez o empate depois de já ter acertado no poste, numa jogada que começou numa boa recuperação no meio-campo do City antes da combinação entre Coufal, Lingard e o avançado inglês.

[Clique nas imagens para ver os golos do Manchester City-West Ham em vídeo]

Guardiola mexeu apenas em posicionamentos após o intervalo, com o lateral Zinchenko a tentar fazer (sem efeito) os mesmos movimentos de João Cancelo, Gündogan mais próximo das zonas de finalização e Mahrez e Ferran Torres a darem mais largura ao jogo ofensivo mas as características do encontro não mudaram. Foi nessa fase que apostou no lançamento de Gabriel Jesus e Phil Foden para o ataque final à vitória, materializada com um golo do outro central, John Stones, que tinha ficado na área após uma bola parada e aproveitou uma grande jogada de Mahrez pela direita para rematar cruzado sem hipóteses para Darren Randolph (68′), que ocupou a vaga do habitual titular Fabianski (de fora por lesão num treino). Apesar de ter sido um dos encontros mais difíceis na presente série, o Manchester City voltou a ganhar e reforçou a liderança antes do Chelsea-Manchester United.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.