No dia em que se celebra o Dia Internacional da Mulher, a Google.org anunciou um novo Impact Challenge (em português, “desafio de impacto”) para encontrar e financiar projetos que visem criar caminhos para a prosperidade de mulheres e raparigas ou ajudá-las a encontrar potencial económico. A gigante tecnológica tem 25 milhões de dólares (21 milhões de euros) para os projetos selecionados e cada iniciativa poderá receber entre 300 mil a dois milhões de dólares, além de acompanhamento ao longo da jornada.

É uma oportunidade para abrir as nossas portas e dizer que estamos interessados nas melhores ideias, sobre como podemos melhorar as oportunidades económicas, sobretudo para as mulheres. Já fizemos alguns desafios antes e esta estrutura é muito aberta. Queremos ver ideias, entender o que pensam que pode ser o ponto de crescimento real destes caminhos. A Google vai estar ao lado destes vencedores e oferecer os recursos necessários, que sabemos que é o que as organizações mais precisam para as suas ideias”, explica Jacquelline Fuller, presidente do Google.org e presente no ramo da filantropia há mais de 20 anos.

As candidaturas (em inglês) para o Google Impact Challenge terminam a 9 de abril, sendo que a empresa aceita propostas de qualquer instituição de solidariedade e organização sem fins lucrativos que cumpra os objetivos indicados. Numa segunda fase, as organizações com maior potencial terão de apresentar mais informações sobre o seu projeto. Jacquelline Fuller enumera algumas das características dos projetos que a Google está à procura: inovação, capacidade de escalar e também a garantia da igualdade.

“Queremos saber como podemos ajudar as mulheres e raparigas que têm maior desvantagem, como podemos utilizar esta fusão da tecnologia e financiamento, mas também saber como é que os vencedores vão atingir um destaque local que depois vai ajudá-los a contar a sua história e a catalisar ainda mais investimento”, acrescenta Jacquelline Fuller, sublinhando que a Google procura “projetos realistas, que têm um histórico sólido, mas que sejam ideias inovadoras e escaláveis”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para selecionar os projetos vencedores há um painel de jurados com personalidades femininas oriundas de mais de 15 países e de várias áreas, desde o mundo da política à tecnologia e investigação. Entre elas está a ministra da Cultura, Graça Fonseca, e também personalidades como Mary Robinson, antiga Presidente da Irlanda e Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Susan Wojcicki, presidente do YouTube, e a cantora Shakira. As organizações selecionadas serão anunciadas no final deste ano.

A ideia deste desafio, sublinha a responsável da Google.org, foi pensada já no ano passado, mas foi adiada devido à pandemia de Covid-19, que obrigou a concentrar todos os esforços. A crise causada pela pandemia, acrescenta, veio também aumentar as disparidades entre homens e mulheres. “No geral, as mulheres têm quase duas vezes mais probabilidade de perder os seus empregos, como consequência da Covid-19. Só nos Estados Unidos as mulheres perderam mais de 5,4 milhões de empregos, respondendo a 55% de todas as perdas líquidas de empregos em 2020”, exemplifica Jacquelline Fuller. As maiores desigualdades destacam-se no emprego e no acesso à educação. 

Além do financiamento, a Google está também disponível para acompanhar os projetos e oferecer ajuda a nível tecnológico e de equipa. “Uma coisa que aprendemos ao andar lado a lado com estes inovadores que têm estas ideias ótimas é que precisam dos meios, mas também precisam muitas vezes de ajuda técnica, especialmente se a ideia precisar de tecnologia para ajudar a dar o próximo passo. Mas nem sempre faz sentido para eles, por exemplo, contratar um engenheiro de software a full time. O que realmente precisam é uma equipa que pode entrar e ajudá-los em alguns aspetos críticos”, explica a responsável, acrescentando que normalmente estas equipas ficarão a ajudar durante cerca de seis meses.

O Google Impact Challenge é um desafio criado pela Google.org para premiar organizações sem fins lucrativos e empresas sociais que tenham projetos e ideias que abordem um problema específico ou apoiem uma determinada comunidade.