A Autoridade do Canal do Suez anunciou, esta segunda-feira, o “recomeço do tráfego” nesta importante via marítima obstruída há quase uma semana por um porta-contentores, o “Ever Given”, que ficou atravessado no canal.

“O almirante Osama Rabie, presidente da Autoridade do Canal do Suez, proclamou o recomeço do tráfego de navegação no canal”, anunciou a meio da tarde o organismo num comunicado.

Os primeiros navios começaram a circular no canal cerca das 18h00 locais (17h00 de Lisboa), anunciou o almirante Osama Rabie, presidente da Autoridade do Canal do Suez, durante uma conferência de imprensa, em Ismailia, durante a noite de segunda-feira.

Este dirigente egípcio acrescentou que o objetivo inicial era fazer passar 113 navios pelo canal entre as 18h00 e as 08h00 locais (07h00 de Lisboa), nos dois sentidos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A retoma do tráfego no canal Suez aconteceu depois de o navio gigante Ever Given ter desencalhado e voltado a flutuar ao início da tarde desta segunda-feira, segundo avançaram as televisões britânicas BBC e Sky News. Os progressos registados na madrugada desta segunda-feira alimentaram a esperança de desbloqueio de um dos principais canais de navegação do mundo, o que veio a acontecer algumas horas depois.

Depois de várias empresas a operar no canal terem informado sobre os primeiros esforços para retirar o Ever Given do caminho, as autoridades egípcias confirmaram que o navio já desencalhou, assim como várias testemunhas citadas pela agência Reuters.

Pelas 11h30 locais (10h30 em Lisboa) os barcos que fazem parte da operação tinham retomado os esforços para fazer o navio flutuar na totalidade, numa altura em que se esperava que a maré subisse o suficiente para permitir a operação. A etapa seguinte, acrescenta a autoridade, será sujeitar o porta-contentores a uma inspeção técnica.

Quem já veio festejar a notícia foi o presidente egípcio, Abdel Fatah al-Sissi, que se congratulou no Twitter pelo esforço dos egípcios para “acabar com a crise do barco preso no canal do Suez”, missão cumprida com “sucesso”, alegou.

Os membros das operações no terreno, entrevistados por vários jornais internacionais, não dão, no entanto, o caso por terminado: quando o navio estiver totalmente apto para voltar a circular, previam durante a manhã desta segunda-feira, haverá ainda um período de transição para reestabelecer a atividade normal no Canal do Suez. O tráfego marítimo deverá demorar “três dias e meio” a voltar ao normal a partir do momento em que a passagem reabrir, adiantavam as autoridades esta manhã. De acordo com o responsável da autoridade do canal, o almirante Osma Rabie, “o canal vai funcionar 24 horas sobre 24 horas, imediatamente após o navio (encalhado) começar a flutuar”, cita a Lusa.

Agora que o porta-contentores já desencalhou, ainda não é claro se as previsões são as mesmas, embora a Sky refira testemunhos de quem diz já ter visto barcos a circularem outra vez no canal.

Boas notícias chegaram de madrugada

Foram várias as empresas a operar no Suez que informaram durante a madrugada sobre os primeiros esforços com sucesso para retirar o Ever Given do caminho das centenas de barcos que esperam para passar pelo canal. “O Ever Given desencalhou parcialmente no Canal de Suez, faltando confirmação oficial da autoridade do Canal”, escreveu a Leth Agencies, uma das operadoras daquela travessia marítima.

Entretanto, também a Inchcape Shipping, empresa de “logística e serviços marítimos”, confirmou a mesma informação no Twitter, adiantando que a manobra de sucesso para desencalhar o navio terá ocorrido pelas 4h30, hora local (3h30 em Lisboa).

É uma boa notícia para o comércio mundial e particularmente para os 367 barcos cargueiros e petroleiros que se foram juntando a uma fila que cresce desde terça-feira, o dia em que o o Ever Given, um dos maiores navios do mundo, encalhou no canal do Suez, o que bloqueou a ligação Europa-Ásia, uma das maiores rotas de comércio do mundo e, com ela, um fluxo de milhões de dólares. O preço do petróleo começou a subir como consequência do bloqueio.

Como um porta-contentores encalhou no Suez e complicou todo o comércio internacional

O navio, operado pela empresa taiwanesa Evergreen Marine, pesa 219 mil toneladas e ficou atravessado numa posição que impede os barcos que chegaram depois de passar. Embora estejam por determinar os motivos exatos para o sucedido, uma tempestade de areia, combinada com ventos fortes, terá atingido o navio na terça-feira. Por ter um comprimento quase igual ao máximo autorizado no canal, o seu espaço de manobra é bastante reduzido — o Ever Given tem 400 metros de comprimento e 59 de largura.

Os especialistas do setor tinham previsto que a operação para desencalhar o Ever Given poderia demorar dias ou até semanas, podendo ser necessário esvaziar a sua carga, ou pelo menos parte dela. Nos últimos dias, o barco tinha já começado a ser empurrado com recurso a rebocadores e a área onde encalhou estava a ser escavada. Ainda não são conhecidos os detalhes da operação que levou parte do navio a desencalhar finalmente, durante esta madrugada.