480kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

"Mare of Easttown". Não podemos (nem queremos) fugir desta cidade nem de Kate Winslet

Este artigo tem mais de 1 ano

A atriz inglesa regressa à televisão como mãe, avó, polícia e mulher implacável. “Mare Of Easttown” é um policial, é um drama, é um retrato de uma América particular e é televisão de luxo.

Kate Winslet, como "Mare", a personagem que dá o título à série da HBO, é soberba, mas não o é sozinha, numa produção que vive da genialidade do seu conjunto
i

Kate Winslet, como "Mare", a personagem que dá o título à série da HBO, é soberba, mas não o é sozinha, numa produção que vive da genialidade do seu conjunto

Kate Winslet, como "Mare", a personagem que dá o título à série da HBO, é soberba, mas não o é sozinha, numa produção que vive da genialidade do seu conjunto

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há dez anos, Kate Winslet juntava-se a Todd Haynes (e a Evan Rachel Wood, Guy Pearce, Melissa Leo e Hope Davis) para adaptar o romance de James M. Cain, Mildred Pierce, e transformá-lo numa minissérie de cinco episódios, tantos quantos os Emmys que a produção ganhou nesse ano (um dos quais para Kate Winslet, que também viria a ganhar o Globo de Ouro pelo papel que desempenhou). A minissérie da HBO é ainda hoje uma das melhores do seu catálogo. Passada uma década, Kate Winslet regressa para uma produção HBO, novamente uma minissérie – sete episódios –, e uma criação que tem o nome da protagonista no título. Não é uma série de época, passa-se no presente. Não é um drama, é um policial que tem nas vísceras a vida das cidades pequenas americanas. Mare, a protagonista, vive numa delas. E Mare detesta esta realidade. Vai poder começar a perceber tudo isto a partir desta segunda-feira, 19 de abril, na HBO Portugal.

Vale a pena dizê-lo já: “Mare of Easttown” é um feito de televisão. Não vale a pena fincar a coisa no “é uma das melhores deste ano”. Isto veio para ficar. Kate Winslet é soberba, mas não o é sozinha, há um imenso elenco que aguenta as vísceras daquelas cidades que, mais do que carregarem verdades e mentiras, carregam a inocência, prazer e repulsa de se viver numa comunidade como aquela. Há vantagens e desvantagens – por assim dizer –, bem apontados ao longo da série, de modo direto e eficaz, para que o espectador saiba que a cidade também desempenha um papel importante na ação.

Escrita por Brad Ingelsby e realizada por Craig Zobel (que se juntou já tarde na produção, depois do realizador original, Gavin O’Connor, ter abandonado o barco no início do ano passado), “Mare Of Easttown” é primeiro um policial – as actividades do dia-a-dia tomam conta do primeiro episódio até um homicídio acordar a cidade para os seus fantasmas) — e depois é a história de uma mulher, Mare. Talvez seja o contrário, mas Winslet é tão boa a complicar as contas que confunde o espectador.

[o trailer de “Mare of Easttown”:]

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Mare Of Easttown” tem várias virtudes, a principal passa pela forma como resguarda a verdadeira história da sua protagonista perante o espectador. Vamos conhecendo detalhes da vida de Mare, que surgem como apontamentos (mas que são coisas imensas), e vamos ganhando compaixão pela personagem. Mãe e avó. Divorciada (e o ex-marido vive mesmo em frente à sua casa e, quando a série recomeça, anuncia que se vai casar). Tem uma filha e um neto, o neto tem quatro anos e o pai é o primeiro filho de Mare, que se suicidou dois anos antes dos eventos da série. A mãe da criança é uma toxicodependente em recuperação e quer a custódia da criança. Além de viver com a filha e o neto, Mare partilha também casa com a mãe, interpretada por Jean Smart (sabe tão bem vê-la ao lado de Winslet). Isto são as coisas em casa. E é provável que esteja a faltar algum detalhe.

Mare é polícia. Seguiu as pisadas do pai, a sua grande referência. Vive a insatisfação de ter ficado naquela América. Não quer aquilo para a filha. Nunca se diz diretamente o que a fez ficar. Mas também não é essencial. O primeiro episódio é um tratado a sobre a insatisfação de Mare. Arranca com um telefonema que a tira da cama para ir tratar de um caso banal, logo a seguir é relembrada que nesse dia é o aniversário do maior feito da sua vida – e, por isso, é capa do jornal local: quando marcou o ponto que deu o campeonato estatal à equipa feminina de basquetebol da sua escola. É uma heroína local, até tem uma alcunha – Lady Hawk –, mas também é a polícia que não conseguiu encontrar a filha de uma amiga – e companheira dessa equipa de basquetebol –, desaparecida há cerca de um ano.

Ao longo do primeiro episódio, Mare arrasta-se para fazer o que quer que seja. Winslet veste a personagem com o peso de uma vida. Mare não está cansada nem farta. Está desiludida com a vida, foi enganada. E sabe que para a frente há algo de melhor (será que há?). Este desalento que se vê na sua existência cria uma empatia imensa. Torna-se um elemento importante para fruir a série e seguir a saga de Mare a seu lado. O espectador coloca a razão de lado, ficará ao lado de Mare, será a própria Mare. E é aqui que percebemos que estamos perante grande televisão.

"Mare of Easttown", com Kate Winslet, Guy Pierce e Angourie Rice, é um policial que termina cada episódio com algo em suspenso, para tirar o tapete ao espectador

Sabemos que Mare não é flor que se cheire – e quando a empatia abafa essa evidência, surge uma personagem a dar o alerta. É uma mulher cheia de erros, que faz coisas lamentáveis e que, até certo ponto, não se percebe o quão manipuladora e má pode ter sido no passado. É humana e age pelo bem, mas por vezes o seu bem sobrepõe-se ao dos outros. E os outros não a perdoam, algumas personagens são implacáveis quando tocam em Mare e no seu passado. Há informações que vão caindo que fazem o espectador desconfiar. Mas depois, a dupla Winslet/Mare volta ao ecrã e há uma mulher que só quer seguir em frente, sem saber como.

Esta pequena América não é deprimente, perdida ou desolada. É pequena, fechada, limitada. É aquela América dos primeiros filmes de David Gordon Green (com quem Craig Zobel trabalhou), onde é permitido filmar coisas lindíssimas nas casas mais feias. Em “Mare Of Easttown” o “lindíssimo” é relativo, talvez inexistente. O caso de homicídio que toma conta da história no final do primeiro episódio envolve uma rapariga adolescente, um acontecimento que põe a descoberto os segredos que habitam a vida de muitas pessoas naquela comunidade e que expõem sem misericórdia o melhor e o pior das personagens. Essa América, onde só se vive, onde só se respira, sem um fim à vista (uma América que serve de exemplo para um mundo inteiro, pois quem apenas vive e respira são as personagens), é a América que quer existir em “Mare Of Easttown”.

É também o palco de uma minissérie notável. Um policial que termina cada episódio com algo em suspenso, para tirar o tapete ao espectador. Parece uma artimanha de jogo sujo num drama que se joga tão limpo, mas a noção de thriller serve para motivar o prazer de voltar: porque há algo de extremamente contido naquela vida – a da cidade e a de Mare – que tira a energia e nos deixa de rastos. Bem-vinda de volta, Kate.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.