Os 12 clubes fundadores da Superliga avisaram esta segunda-feira os líderes da FIFA e da UEFA que vão perseguir ação judicial para impedir os esforços destas organizações no sentido de proibir o avanço da nova competição.

Numa missiva a que a agência noticiosa Associated Press teve acesso, os clubes espanhóis, ingleses e italianos que formam parte da nova prova avisam Gianni Infantino, presidente da FIFA, e Aleksander Ceferin, líder da UEFA, que poderão ter de recorrer aos tribunais para levar avante o projeto.

Que comece a guerra: Superliga Europeia oficializada com 12 clubes de três países, UEFA ameaça com sanções

Por outro lado, fizeram saber que a competição tem já acordado um financiamento de quatro mil milhões de euros de uma instituição financeira para assegurar a prova.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta segunda-feira de manhã, o banco norte-americano JP Morgan confirmou que “vai financiar a operação”, através de um porta-voz do banco em Londres, em declarações à agência France-Presse.

A UEFA tinha avisado os clubes que iria procurar impedi-los, pela via judicial, de competir nas ligas nacionais se a Superliga avançasse, pelo que os clubes tomaram “passos de proteção para garantir defesa contra uma reação tão adversa”.

UEFA excluirá todos os clubes que participem na Superliga europeia

“Por esta razão, a SLco (Super League Company) deu entrada de uma moção nos tribunais relevantes para garantir o estabelecimento da operação sem problemas, de acordo com todas as leis aplicáveis”, pode ler-se na carta, que não identifica os tribunais onde a ação foi submetida.

Segundo o documento, o torneio deve ser jogado “ao lado de competições existentes, liga e taça, que são uma parte fulcral do tecido competitivo do futebol europeu”.

“Não queremos substituir a Liga dos Campeões ou a Liga Europa, mas competir com e existir ao lado destes torneios”, acrescentam.

“Ato criminoso, ganância, insanidade”: as reações ao terramoto no futebol europeu (que já tem Boris Johnson ao barulho)

No domingo, AC Milan, Arsenal, Atlético de Madrid, Chelsea, FC Barcelona, Inter de Milão, Juventus, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Real Madrid e Tottenham, treinado pelo português José Mourinho, “uniram-se na qualidade de clubes fundadores” da Superliga, indica um comunicado enviado à AFP.

“A época inaugural (…) iniciar-se-á o mais brevemente possível”, informam os subscritores do comunicado, sem precisar qualquer data, adiantando que a nova competição pretende “gerar recursos suplementares para toda a pirâmide do futebol”.

Os promotores da Superliga adiantam que a prova será disputada por 20 clubes, pois, aos 15 fundadores — apesar de terem sido anunciados apenas 12 —, juntar-se-ão mais cinco clubes, qualificados anualmente, com base no desempenho da época anterior.

A época arrancará em agosto, com dois grupos de 10 equipas e os jogos, em casa e fora, serão realizados a meio da semana, mas todos os clubes participantes continuarão a disputar as respetivas ligas nacionais.

O comunicado dos 12 clubes surge no mesmo dia em que a UEFA reafirmou que excluirá os clubes que integrem uma eventual Superliga europeia de futebol, e que tomará “todas as medidas necessárias, a nível judicial e desportivo” para inviabilizar a criação de um “projeto cínico”.