438kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

André Ventura em Coimbra para provar que não há "medo" e que "ruas também são do Chega"

Este artigo tem mais de 6 meses

O Chega tem Congresso marcado para Coimbra, onde Ventura foi "cercado" durante a campanha. O líder fez questão de desfilar pela cidade, mas as alterações ao percurso deixaram-no longe das multidões.

i

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“A esquerda perdeu o monopólio das ruas em Portugal.” André Ventura regressou a Coimbra, depois de ter sido “cercado” junto a uma igreja da cidade dos estudantes, em plena campanha eleitoral, para garantir que o Chega cresceu, está “sem medo” e com “coragem”. O percurso de mais de dois quilómetros foi feito essencialmente no meio de zonas residenciais e longe das tradicionais ruas de Coimbra para onde o percurso estava inicialmente previsto. Uma contra-manifestação foi marcada para a Praça 8 de Maio, o que trocou as voltas do percurso do Chega.

Cerca de 200 pessoas seguiram André Ventura, que liderou todo o desfile com uma faixa onde se lê “Ilegalização do Chega não. Lutaremos até ao fim” e onde garantiu que “as ruas também são do Chega e dos portugueses de bem” e “não só de quem tem cravos ao peito”.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

No dia em que começa o III Congresso do partido, o líder do Chega prometeu, à chegada ao Largo da Porta Férrea, que serão traçadas metas para as eleições legislativas e autárquicas e deixou claro que o partido tem de mostrar que está preparado para ser governo e não uma força de protesto. Caso isso não aconteça, Ventura não tem dúvidas de que o Chega vai “perder oportunidade de crescer”.

Houve tempo para críticas à esquerda, uma promessa de luta e a certeza de que a “democracia tem de perceber que [o Chega tem o seu] espaço”. Aliás, para os que pedem moderação, Ventura tem uma palavra: “Preferia pôr a cabeça debaixo de água do que moderar-me.” As palavras “promiscuidade e indignidade” marcaram o discurso final, em cima de um palco móvel montado em frente à estátua de homenagem aos Heróis do Ultramar, onde voltou a usar a expressão “bandidos” por diversas vezes, numa referência ao caso da família da Jamaica no qual foi condenado e recorreu.

“Vamos mostrar aos subsidiodependentes, antifas e saudosos do Sócrates que vamos marchar nesta cidade e em breve sob o Governo deste país”, atirou o líder do Chega.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Houve tempo para ataques a Costa e ao facto de “não ter conta bancária”, mas o maior alvo foi José Sócrates, tanto no discurso final como durante o percurso. “Sócrates, ladrão, volta para a prisão.”, ouviu-se por várias vezes. “Contra a corrupção, racismo é distração” e “socialismo nunca mais” foram alguns dos slogans mais ouvidos durante toda a marcha.

Durante o percurso, algumas dezenas de populares assistiram ao momento pelas janelas, mas as reações foram poucas de ambos os lados. Alguns aplausos, alguns apupos e gestos ofensivos, mas para a história da marcha fica apenas um grito tímido de “fascistas” vindo de uma das janelas da Universidade de Coimbra e alguns gritos no final da marcha, já na Praça Heróis do Ultramar, onde estavam várias faixas nas quais se podia ler “Fascismo nunca mais” e onde se ouviram gritos de “facho do Ventura” e “Fascismo nunca mais, 25 de Abril sempre”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.