Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Numa cerimónia de finalistas na passada quinta-feira na escola secundária Asheboro, na Carolina do Norte,  nos Estados Unidos da América (EUA), um aluno viu-lhe ser negado o diploma por estar a usar uma bandeira do México por cima da capa de formatura. A escola diz que o aluno violou o código de vestuário da instituição, e que a razão para não ter recebido o certificado não terá sido o uso da bandeira.

Seria um dia de festejo para Ever Lopez, que tinha acabado de concluir o ensino secundário e como parte do ritual norte-americano dirigiu-se à sua cerimónia de finalistas. Mas quando subiu a palco para receber o diploma de conclusão acabou por sair de mãos vazias.

A diretora da escola, que entregava os diplomas, pediu a Lopez para retirar a bandeira, não tendo sido bem sucedida. À ABC News, o aluno conta que subiu ao palco para o “aperto de mão” sem pensar que estaria a fazer algo errado e ouviu alguém a dizer-lhe: “Não podes usar isso. A bandeira, não podes usá-la”.

Num vídeo publicado pelo primo Adolfo Hurtado, é visível o momento em que isso acontece.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Lopez confessa ter usado a bandeira em homenagem à família, uma vez que é o primeiro a terminar o ensino secundário dentro do círculo familiar mais próximo. “Significa muito para mim”, confessou à ABC News. “Os meus pais, a minha família toda é de lá. Eu fiz isto por eles, porque tiveram uma infância dura; não tiveram direito à educação que eu tenho e tive. Então representar a minha bandeira e obter um diploma era muito importante para mim porque o faço pela minha família”.

Segundo a ABC, Lopez ainda não recebeu até à data o referido diploma e, sobre isso, o aluno diz que a escola exigiu um pedido de desculpas da sua parte como condição para que o possa receber. Num comunicado à cadeia norte-americana, a secundária de Asheboro contraria o estudante e diz que o diploma está disponível desde sexta-feira para ser levantado e que não terá exigido nenhum pedido de desculpas.

A escola terá alegado a violação do dress code que foi partilhado num comunicado com todos os alunos atempadamente para que pudessem personalizar os seus chapéus de finalista, mas “o uso de uma bandeira de qualquer tipo constitui uma violação”. No vídeo é possível ver alguns desses chapéus personalizados com flores e até desenhos.

Numa declaração publicada no seu site, a instituição escreve que continuam a “trabalhar para resolver este assunto com o estudante e respetiva família de forma a que o aluno receba o seu diploma”. “Este incidente não é sobre a bandeira mexicana. Os estudantes foram encorajados a expressar a sua identidade decorando os chapéus, muitos fizeram-no e seguiram o protocolo tendo até a bandeira mexicana e outras representações apropriadamente expostas durante a cerimónia”.

O sucedido provocou uma onda de protesto à porta da escola na sexta-feira seguinte, onde se juntaram algumas dezenas de pessoas e outras mais de 70 mil assinaram uma petição para apoiar Ever Lopez e condenar a decisão da escola. Além disso, a própria escola e alguns funcionários acabaram por receber algumas ameaças de violência e até de tiroteios, sobretudo via email, segundo as autoridades locais.