Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um grupo de 35 pescadores encontrou na semana passada 127 quilos de âmbar cinzento — substância rara usada na indústria dos perfumes — dentro do estômago de um cachalote que tinha dado à costa no Golfo de Adem, no sul do Iémen. O “tesouro” foi vendido a um comerciante dos Emirados Árabes Unidos por 1,2 milhões de euros, melhorando as condições de vida do grupo de que habita num dos países mais pobres do mundo.

Quando os pescadores se aproximaram do animal morto, que tinha um “cheiro forte”, suspeitaram que ” tinha qualquer coisa dentro” que poderia ser ambar cinzento que, produzido nos intestinos dos cachalotes é fétido, explicou um deles à BBC. O grupo levou a carcaça até à costa e decidiu cortá-la para “ver o que estava tento da barriga”. Confirmou-se: era ambar cinzento, cuja venda é proibida em muitos países. ”

Nós somos todos pobres. Nunca pensámos que isto nos desse uma grande quantia”, diz outro dos pescadores de um dos países mais pobres do mundo. Mas deu. A quantia recebida foi dividida igualmente entre todos e serviu para ajudar pessoas necessitadas. Para além disso, os 35 também compraram “boas casas, carros e barcos”, diz outro pescador. Apesar da nova vida, o grupo ainda continua a pescar.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR