Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A nova gama do Model S da Tesla deveria ser composta pela versão mais acessível, a Long Range, e duas mais “puxadas”, a Plaid e a Plaid+, a primeira com 1020 cv e a segunda com mais de 1100 cv. A velocidade máxima dos Model S mais desportivos era similar (322 km/h), tal como a capacidade de aceleração (2,1 segundos para um e menos de 1,99 segundos para o outro).

Mas além do preço, que era 30.000€ mais elevado no Plaid+, o que verdadeiramente impressionava nesta versão mais potente era a sua impressionante autonomia de 836 km. Sabe-se agora que se os Model S Long Range e Plaid chegam a 10 de Junho, mas o Plaid+, que estava agendado para 2022, já não vai ver a luz do dia.

O anúncio chegou pelo Twitter, como muitas outras notícias da Tesla, com o CEO da empresa, Elon Musk, a informar que o “Plaid+ foi cancelado”, avançando que “não havia necessidade por o Plaid ser tão bom”. Resta saber o que os clientes pensam do cancelamento da versão mais cara e sofisticada, que oferecia praticamente mais 200 km de autonomia.

Jay Leno bate recorde: fez 9,247s no ¼ de milha com o Model S Plaid

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Explicações para a decisão de Musk não há, como é habitual na marca, mas se é possível que se prenda com o já elevado nível de potência, aceleração e velocidade do Plaid, é igualmente provável que a produção das novas baterias 4680, que estes Model S utilizam, ainda não esteja em velocidade de cruzeiro e que a Tesla necessite delas para a Cybertruck, o Roadster e o Semi – os dois primeiros esperados para 2022, mas o camião aguardado ainda em 2021.