Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Era inevitável. Foi muito tempo, muitos meses, muito sofrimento. 561 dias depois, Marc Márquez voltou a ganhar um Grande Prémio no MotoGP e logo na Alemanha, onde conseguiu a 11.ª vitória consecutiva desde 2010 entre 125cc (uma), Moto2 (duas) e MotoGP (oito, sendo que em 2020 não houve por causa da pandemia). A festa na Honda foi incrível, o pai do piloto de Cervera não aguentou as lágrimas, o antigo campeão mundial ainda parou para acender um pequeno fogo de artifício junto dos comissários de pista antes de festejar como se fosse uma primeira vitória de sempre – mas sempre a agarrar aquele ombro que lhe tirou todo o ano de 2020.

O Einstein voltou a dar um show de génio: Miguel Oliveira acaba GP da Alemanha em segundo e faz terceiro pódio consecutivo

Era dia de Espanha, era dia de Marc Márquez, e foi apenas por isso que a corrida de Miguel Oliveira passou um pouco lado, sendo que, no plano estratégico, foi tão boa ou melhor do que aquelas que lhe tinham valido antes um segundo lugar em Itália e a vitória na Catalunha. E parte do segredo desse sucesso e da imagem de Einstein que tem entre os restantes pilotos pode ser explicado com o que se passou antes de chegar à zona das entrevistas rápidas: cumprimentou os elementos da equipa, discutiu logo ali alguns pormenores da corrida e da moto já tendo em vista o próximo Grande Prémio dos Países Baixos (no domingo), foi saudar os elementos da equipa da Honda que estavam por ali, deu um abraço a Marc Márquez pelo regresso aos triunfos.

“Foi um pouco uma corrida do gato e do rato durante toda a prova, ele era mais rápido em alguns setores, eu era mais rápido da parte final [por volta], visualmente era como se não estivesse a ganhar nada…”, começou por dizer o português na zona de entrevistas rápidas, já com um sorriso rasgado depois de ouvir o entrevistador falar em mais uma corrida fantástica do piloto da KTM que conseguiu o terceiro pódio consecutivo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Foi uma corrida interessante, penso que eu e ele [Marc Márquez] tínhamos ritmo para lutar um com o outro mas no final ele conseguiu manter a distância. E também digo: um segundo lugar aqui em Sachsenring para ele, fico com ele sempre, qualquer dia. Estou muito feliz por continuar esta série de pódios, por ter conseguido mais um pódio, e agradeço à equipa e a todos lá em casa. Vamos continuar”, completou Miguel Oliveira.

Em atualização