Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os portugueses não têm dúvidas: Luís Filipe Vieira deve mesmo demitir-se, assim como toda a sua direção, incluindo o presidente interino, Rui Costa. A opinião é consensual entre os adeptos dos vários clubes, embora os do Benfica hesitem mais quanto ao destino do antigo jogador do clube, que agora tomou temporariamente as rédeas da direção.

Estas são as conclusões de uma sondagem feita pela Aximage e publicada esta quarta-feira pelo Diário de Notícias, Jornal de Notícias e TSF. Quanto a Luís Filipe Vieira, as percentagens não enganam: 88% dos inquiridos — num trabalho de campo feito quando o presidente do clube da Luz já tinha anunciado a suspensão no cargo — querem a demissão, sendo esse desejo marcado tanto entre benfiquistas como sportinguistas e portistas (84% defendem esse cenário no primeiro caso, 91% nos outros dois).

Mas os portugueses também não ficam satisfeitos por ver Rui Costa, que já fazia parte da direção como vice-presidente e era apontado à sucessão de Vieira, ao leme do clube.

Fumo branco para novas eleições: Benfica vai mesmo a votos até ao final do ano (e Vieira volta a não ser referido)

Isto porque, segundo a sondagem, 62% querem uma demissão da cúpula em bloco. Só aqui se nota uma divergência maior: se 74% dos portistas e 70% dos sportinguistas defendem esta solução, entre adeptos das águias o número baixa para 52%.

O Benfica já decidiu, aliás, corresponder a essa vontade: a direção decidiu marcar eleições até ao final do ano (deverão acontecer entre outubro e novembro). Num comunicado divulgado esta terça-feira, o clube garantiu a “unanimidade de todos os vice-presidentes” no entendimento de que devem ser fechados os processos mais imediatos, como o fecho dos plantéis para a próxima época, e depois passar à “realização de uma consulta aos sócios”.

Luís Filipe Vieira tinha 190 mil dólares em notas num cofre do Novo Banco

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O comunicado não fez, no entanto, qualquer referência a Vieira, o presidente suspenso que continua em prisão domiciliária, por suspeitas de abuso de confiança, burla qualificada, fraude fiscal e branqueamento de capitais.