Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Toyota é, desde a primeira hora, um dos maiores apoiantes dos Jogos Olímpicos japoneses, cuja cerimónia de abertura está agendada para 23 de Julho. Mas um evento que deveria unir a população nipónica e a comunidade internacional está a dividi-la. A braços com a pandemia, a população japonesa está com dificuldade em aceitar a manifestação desportiva, revoltando-se mesmo contra a ideia, com receio de um incremento do contágio.

Esta reacção negativa da população em relação à forma como os organizadores estão a lidar com as Olimpíadas de Tóquio tem afastado igualmente os patrocinadores. Mesmo os que, como a Toyota, estão desde a primeira hora ao lado do evento. O construtor japonês é um dos grandes patrocinadores, estimando-se que nele tenha investido cerca de 3 milhões de dólares.

Um porta-voz da Toyota veio agora a público afirmar que “os Jogos Olímpicos japoneses não têm conseguido granjear popularidade junto do público”, o que explica a decisão de “o CEO Akio Toyoda e outros executivos de topo” da marca não estarem presentes na cerimónia de inauguração.

Além da ausência na parte mais mediática dos Jogos Olímpicos, a Toyota decidiu retirar os anúncios previstos para a televisão, em que explorava o avultado investimento nestas Olimpíadas. O banir dos espectadores da competição, aguardada há muito, tornou a associação aos Jogos Olímpicos tóxica. Resta saber se a Toyota vai manter os veículos autónomos que chegou a anunciar, para deslocar atletas e espectadores dentro da área do evento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR