Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Com a água pelo peito, dentro de carruagens fechadas paradas no meio de túneis alagados, centenas de chineses viveram momentos de pânico devido às fortes cheias nos últimos dois dias afetaram a região central da China. Só no sistema de metro da cidade de Zhengzhou, capital da província de Henan, terão morrido pelo menos 12 pessoas. Até agora, estima-se que um total de 33 pessoas tenham morrido na região central da China na sequência de fortes inundações provocadas por chuvas torrenciais registadas entre terça e quarta-feira, de acordo com os números oficiais divulgados pelas autoridades chinesas.

Vários corpos foram encontrados no sistema de metro da cidade de Zhengzhou, depois de uma enchente de água ter atingido aquela secção do túnel a partir das 18h de terça-feira — que obrigou 500 pessoas a serem resgatadas, de acordo com o jornal chinês China Daily. A Reuters acrescenta que outras quatro pessoas perderam a vida na cidade de Gongyi, também ela seriamente afetada pelas chuvas torrenciais.

As chuvas ao longo destes três dias alcançaram um nível apenas visto “uma vez em mil anos”, segundo meteorologistas locais. De sábado a terça-feira, 617,1 milímetros (mm) de chuva caíram em Zhengzhou — a média anual é 640,8 mm.

Milhares de equipas de emergência foram destacadas para o efeito depois de, na terça-feira, terem caído mais de 20 centímetros de chuva numa hora. Mais chuva está prevista em Henan nos próximos três dias, tanto que o Exército Popular de Libertação cedeu mais de 3.000 soldados e pessoal para ajudar nas operações de busca e resgate.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“As barragens desabaram, causando feridos graves, mortes e danos materiais. A situação na frente de inundação é extremamente grave”, admitiu o Presidente chinês, Xi Jinping, num apelo à mobilização da população. As autoridades locais indicaram terem sido retirados cerca de 200.000 dos dez milhões de residentes de Zhengzhou, uma cidade 700 quilómetros a sul de Pequim, que recebeu em três dias o equivalente a quase um ano de chuva

Durante o verão, a China sofre regularmente fortes enxurradas.

Chuva “recorde” faz milhares de deslocados no centro da China

Imagens transmitidas pela agência de notícias estatal Xinhua e vídeos de passageiros retidos dentro das carruagens e partilhados nas redes sociais por fontes credíveis mostram pessoas com água até à cintura e em alguns casos até ao pescoço. O sistema de metro da cidade contém sete linhas e 153 estações, e suspendeu todas as operações após o incidente, de acordo com autoridades da província. Mais de 160 comboios pararam de circular.

A água chegou ao meu peito”, escreveu um sobrevivente nas redes sociais, citado pela Reuters. “Eu estava realmente assustado, mas o mais assustador não era a água, mas a diminuição de ar na carruagem.”

O vídeo abaixo, da noite desta terça-feira, foi publicado pelo The Paper, um jornal digital chinês cuja conta de Twitter está verificada. Ainda mais impressionantes são os vídeos divulgados por uma utilizadora do Twitter (e partilhados também pela Al Jazeera, pelo The Guardian e pela BBC, por exemplo), cujo trabalho incide sobre as tendências nas redes sociais chinesas, que mostram peixes a percorrer ruas alagadas e uma carruagem de metro inundada. Há ainda um outro vídeo que mostra moradores na rua, com a água a dar pela cintura, a tentar tirar pessoas retidas no interior de um shopping subterrâneo.

Através da rede social Weibo, numa mensagem citada pela imprensa internacional, uma mulher que se encontrava no metro de Zhengzhou quando as instalações ficaram inundadas descreveu o horror que viveu. “Estava assustada com água pelo peito. Muitas pessoas começaram a sofrer dificuldades de respiração. Ouvi uma passageira perto de mim a dar os dados da conta bancária à família e pensei que devia fazer o mesmo”, escreveu a mulher. “Vieram-me muitas coisas à cabeça, mas é difícil expressá-lo. Simplesmente disse à minha mãe que talvez não sobrevivesse e terminei a chamada. Estava à beira de me descompor. Desmaiei por causa da falta de ar fresco, mas mais tarde fui acordada pela vibração de um telefonema da minha mãe, que me disse que a ajuda estava a caminho.”

As águas irromperam pelas linhas de metro por volta das 17h de terça-feira, durante a hora de ponta, em que vários milhares de pessoas viajavam pelo complexo sistema de transporte subterrâneo da cidade. “A água estava a entrar através de fendas na porta, cada vez mais. Todos os que conseguimos pusemo-nos em pé em cima dos bancos do metro”, disse uma mulher que viajava numa carruagem que parou entre duas estações numa linha de metro alagada.

“A água dentro da carruagem chegou ao nível do peito!”, escreveu outra mulher nas redes sociais chinesas. “Já não consigo falar mais, por favor ajudem.” Depois, a mesma mulher acrescentou: “Se não chegar ajuda em 20 minutos, várias centenas de nós vamos perder a vida no metro de Zhengzhou.”

As chuvas intensas causaram cortes de energia: a CNN a o exemplo de um hospital com cerca de 10.000 doentes, incluindo 600 em estado crítico, a ficar sem eletricidade durante mais de uma hora, também na terça-feira. Ruas colapsaram e vários voos foram suspensos na sequência das fortes chuvas que se fazem sentir. As agências de viagens estão a oferecer reembolsos e serviços de remarcação gratuitos para pessoas cujas viagens foram afetadas pelas chuvas torrenciais em Zhengzhou e quase 2.000 bombeiros foram destacados de regiões vizinhas para apoiar a província de Henan.