Pedro Santana Lopes tem tudo para reconquistar a Câmara Municipal da Figueira da Foz, mais de 20 anos depois de o ter conseguido pela primeira vez, em 1997. De acordo com uma sondagem do ICS/ISCTE para o Expresso e para a SIC, o antigo primeiro-ministro tem 47% das intenções de voto, valores que não afastam, em teoria, um cenário de maioria absoluta.

O socialista Carlos Monteiro surge em segundo lugar nas intenções de voto, com 35%, mas o grande penalizado é Pedro Manchado: o candidato social-democrata arrisca-se a ter um resultado desastroso, com 8% dos votos.

Esta não é a primeira sondagem a dar como muito provável a vitória de Santana Lopes na Figueira. A 14 de agosto, um estudo de opinião realizado pela Eurosondagem/Libertas para o semanário Nascer do Sol, o antigo primeiro-ministro somava então 38% nas intenções de voto contra os 34,3% do socialista Carlos Monteiro. O candidato do PSD, Pedro Machado, tinha, tal como agora, apenas 8% das intenções de voto.

Sondagem dá vitória a Santana Lopes na Figueira

Recorde-se que os sociais-democratas recusaram apoiaram Santana Lopes nesta corrida e decidiram manter o apoio a Pedro Machado, presidente da Entidade Regional de Turismo do Centro. Mesmo sem a bênção de Rui Rio, Santana Lopes decidiu avançar como independente à frente do movimento ‘Figueira a Primeira’.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A confirmarem-se estes números, socialistas e sociais-democratas teriam uma derrota em toda a linha: nas últimas eleições, o PS somou mais de 50% dos votos e o PSD ficou em segundo com 28,47% dos votos.

Como nota o Expresso, ultrapassando a barreira dos 45%, Pedro Santana Lopes pode conseguir atingir a maioria absoluta e eleger cinco vereadores, sendo que os restantes quatro seriam socialistas. O PSD seria varrido do mapa autárquico na Figueira.

Quantos aos restantes, Bernardo Reis da CDU tem neste momento 3% das intenções de voto e João Paulo Domingues, do Chega, 1% — sendo que a candidatura do partido foi considerada irregular pelo tribunal e aguarda decisão sobre recurso. Há ainda 1% de inquiridos que diz que vai votar noutros candidatos.

Esta sondagem foi feita entre 26 e 30 de agosto de 2021. Foram contactados 3318 números de telefone/telemóvel. Obtiveram-se 604 entrevistas válidas. A margem de erro máxima associada a uma amostra aleatória simples de 604 inquiridos é de +/- 4%, com um nível de confiança de 95%