Os reis de Espanha e o Presidente da República português estiveram presentes, esta segunda-feira, na inauguração do novo Centro de Cancro do Pâncreas Botton-Champalimaud, em Lisboa. Felipe VI foi o primeiro a discursar e caracterizou o centro como um símbolo do “compromisso” de Portugal no trabalho pela saúde e pelo bem-estar.

“Este centro representa o firme compromisso de Portugal — e o espírito dos nossos países — para com o progresso e o bem-estar das pessoas”, disse Felipe VI, numa curta passagem em português, retornando de seguida ao castelhano para elogiar o “ambicioso projeto” que visa reforçar o combate ao cancro do pâncreas: “É um ato de enorme transcendência para a ciência, para as nossas sociedades e para a saúde de todos os nossos cidadãos”.

Num discurso proferido perante o primeiro-ministro, António Costa; a ministra da Saúde, Marta Temido; a presidente da Fundação Champalimaud, Leonor Beleza; o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa e os antigos Presidentes da República Ramalho Eanes e Aníbal Cavaco Silva, o monarca espanhol agradeceu o convite do chefe de Estado português e sublinhou ainda que se sente “sempre em casa” em Portugal, assim como a rainha Letizia.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.