817kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Que contratos mineiros (e adendas) foram assinados no mesmo dia?

Este artigo tem mais de 2 anos

Diretor-geral de Geologia assinou 14 contratos mineiros no final de outubro. 5 são concessões de exploração, 4 são de prospeção com direito a explorar. 5 foram adendas. Que contratos estão em causa?

A reativação da exploração de volfrâmio no concelho de Montalegre foi uma das concessões
i

A reativação da exploração de volfrâmio no concelho de Montalegre foi uma das concessões

@ Lara Soares Silva

A reativação da exploração de volfrâmio no concelho de Montalegre foi uma das concessões

@ Lara Soares Silva

O diretor-geral de Energia e Geologia assinou nove novos contratos a conceder direitos de prospeção e exploração mineira em Portugal no mesmo dia. Para além desses nove contratos, dos quais cinco são de concessão de exploração e quatro de prospeção, foram ainda autorizadas adendas a mais cinco contratos já em vigor.

Governo assina 14 contratos para prospeção e exploração mineira num só dia

O esclarecimento foi prestado pela Direção-Geral de Energia e Geologia(DGEG), na sequência de uma notícia do jornal Público segundo a qual, o Governo assinou 14 contratos de exploração mineira num só dia — 28 de outubro que foi o dia seguinte ao da queda da proposta de Orçamento do Estado, o que dará origem à marcação de eleições antecipadas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A DGEG é a entidade da administração central com competência legal para atribuir concessões no setor geológico, estando na tutela do Ministério do Ambiente e Transição Energética. A nota divulgada esta quinta-feira desmente que os contratos tenham sido assinados pelo Executivo, como adiantava a notícia do Público. O jornal destacava também que entre as concessões objeto de contrato ou adenda estão alguns projetos muito contestados pelas populações locais, como são os casos da exploração de lítio na serra da Argemela, Covilhã, e o contrato para a concessão de volfrâmio, na Borralha, em Montalegre.

O Observador foi consultar os contratos em causa e verificou que quase todos os novos contratos de exploração foram atribuídos para minérios metálicos, enquanto as adendas se referem sobretudo a contratos de exploração de caulino, quartzo e feldspato (minerais usados na construção e cerâmica).

A DGEG sublinha que a junção num só dia da assinatura de vários contratos “corresponde à prática habitual de promover uma ou duas sessões anuais com preparação prévia conjunta a nível de tramitação e instrução administrativa”.Em 2020 foram assinados 16 contratos e em 2019 foram 13. Este ano, e por causa de novas regras de sustentabilidade ambiental, foi necessário adaptar as minutas dos contratos ao novo regime, “com preparação atempada e agendamento previsto há meses”.

A mesma nota destaca que os cinco contratos de exploração resultam de contratos prévios de revelação de jazigos ou reservas, pelo que “estava assim garantida a obtenção da concessão da exploração” nos termos da lei (lei de 2015 com decreto-lei de 2021). Um desses contratos é o que entrega a exploração de lítio na serra da Argemela à PANNN e que confere dois anos para o concessionário obter a declaração de impacte ambiental. A área concessionada tem cerca de 400 hectares e o concessionário teve de entregar uma garantia financeira de 350 mil euros.

Aliás a DGEG destaca que todas as concessões de exploração mineira têm de ser submetidas à avaliação de impacte ambiental e só podem avançar depois de as concessionárias obterem a declaração favorável ou favorável condicionada. A exploração de lítio no Barroso pela Savannah é um dos projeto que está a ser avaliado pela APA.

Os direitos adquiridos à luz do contrato de prospeção foram o argumento legal invocado em 2019 para a assinatura do contrato de exploração de lítio em Montalegre com a empresa Lusorecursos. Este processo que ainda aguarda luz verde ambiental depois de o estudo apresentado ter sido retirado para ser alterado na sequência de uma avaliação negativa da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) este ano.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos