E se a primeira fase de evolução das estrelas na história do universo tivesse origem em matéria escura em vez de fusão nuclear? Esta proposta de formação de estrelas escuras foi lançada pela investigadora Katherine Freese e outros colegas em 2008. Agora, a equipa da investigadora da Universidade do Texas apresenta as primeiras três candidatas a este lugar, com base nas observações do telescópio espacial James Webb.

“A primeira geração de estrelas do universo ainda não foi observada”, constatam os autores do artigo científico. Ou seja, não se sabe como se formaram as primeiras estrelas logo depois do Big Bang. Neste momento, existem duas teorias sobre a formação dessas primeiras estrelas: uma em que a formação das estrelas é alimentada pela combustão de hidrogénio (fusão nuclear, semelhante ao que acontece com as estrelas mais recentes); outra, a das estrelas escuras, que embora compostas de hidrogénio e hélio, o aquecimento era provocado pela auto-aniquilação de matéria escura (algo que também ainda não foi observado, mas que se julga compôr 25% do universo).

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.