762kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

"A zona continua militarizada." Exército de Libertação Nacional ameaça adiar a libertação do pai de Luis Díaz

A guerrilha do Exército de Libertação Nacional garante que não existem condições para libertar Luis Manuel Díaz em segurança. Jogador do Liverpool, assim como a mãe, pediu libertação imediata do pai.

GettyImages-1765048780
i

Este domingo decorreu uma manifestação de solidariedade para com a família Díaz em Barrancas, na Colômbia

AFP via Getty Images

Este domingo decorreu uma manifestação de solidariedade para com a família Díaz em Barrancas, na Colômbia

AFP via Getty Images

A liberdade do pai de Luis Díaz, que está sequestrado pelo Exército de Libertação Nacional colombiano [ELN] desde 29 de outubro, pode não estar para breve. O grupo de guerrilha emitiu esta segunda-feira um comunicado onde explicou o porquê de ainda não ter libertado Luis Manuel Díaz e garantiu que não poderá fazê-lo até que as autoridades cessem as operações na zona onde estão concentrados.

“A zona continua militarizada, realizam-se sobrevoos, desembarque de tropas, altifalantes, oferecem recompensas e existe uma intensa operação de busca que não permite a execução do plano de libertação de maneira rápida e segura, para que o senhor Luis Manuel Díaz não corra riscos”, explicou o ELN, citado pelo jornal El Colombiano.

Luis Díaz marcou e pediu ao ELN a libertação do pai

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No mesmo comunicado, a guerrilha indica que não terá outra alternativa que não seja “adiar a libertação” do pai de Luis Díaz, o que fará com que “aumentem os riscos” dessa mesma operação. A mensagem do ELN surge um dia depois de o jogador colombiano ter marcado pelo Liverpool contra o Luton Town, resgatando o empate para os reds já nos descontos e aproveitando o momento para pedir a libertação do pai.

Nos festejos, o antigo avançado do FC Porto mostrou uma camisola onde se lia “libertad para papa”, liberdade para o pai, completando depois o apelo com uma publicação nas redes sociais. “Hoje não vos fala o jogador de futebol. Hoje quem está a falar é Lucho Díaz, o filho de Luis Díaz. Mané, o meu pai, é um trabalhador incansável, o pilar da nossa família, e está sequestrado. Peço ao ELN que liberte o meu pai e peço aos organismos internacionais que intercedam pela sua libertação”, começou por escrever.

“A cada segundo, a cada minuto, cresce a nossa angústia. A minha mãe, os meus irmãos e eu estamos desesperados, angustiados e sem palavras para descrever o que estamos a sentir nesta momento. Este sofrimento só terminará quando o tivermos novamente em casa. Suplico que o libertem de imediato, respeitando a sua integridade e terminando o quanto antes com esta dolorosa espera. Em nome do amor e da compaixão, pedimos que reconsiderem as vossas ações e permitam tê-lo de volta connosco”, acrescentou, agradecendo ainda as “demonstrações de carinho e solidariedade neste momento tão difícil”.

Também este domingo, decorreu uma manifestação de solidariedade para com a família em Barrancas, na Colômbia. A mãe de Luis Díaz — que também foi sequestrada, embora libertada horas depois — marcou presença e também deixou um apelo emocionado pela libertação do marido. “Libertem-no agora, queremos tê-lo em casa”, pediu Cilenis Marulanda, de olhos fechados.

Vote no jornalismo independente.

Assine o Observador com 45% de desconto.

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver oferta

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.