817kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Borrell insiste em posição comum na UE sobre Palestina

No dia em que dois Estados membros avançam com reconhecimento da Palestina, Josep Borrell diz "toma nota" da decisão, as continua a insistir numa resposta comunitária para uma solução de dois Estados.

epa11324051 High Representative of the European Union for Foreign Affairs and Security Policy Josep Borrell looks at his files at the European Union Foreign Affairs Ministers Council in its development configuration in Brussels, Belgium, 07 May 2024. EU Ministers will exchange views on the situation in Ukraine, Europe engagement, and preparations for the summit of the future. The discussion is also expected to focus on humanitarian and reconstruction aspects in Palestine, and the report by the Independent Review Group on UNRWA, led by ex-French Foreign Affairs minister Catherine Colonna, will inform the council.  EPA/OLIVIER MATTHYS
i

O alto representante da UE para os Negócios Estrangeiros reagiu à decisão nas redes sociais

OLIVIER MATTHYS/EPA

O alto representante da UE para os Negócios Estrangeiros reagiu à decisão nas redes sociais

OLIVIER MATTHYS/EPA

Siga aqui o liveblog sobre o conflito israelo-palestiniano

O alto representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros disse esta quarta-feira que “tomou nota” da decisão de Espanha e da Irlanda de reconhecerem o Estado da Palestina, mas insistiu numa posição comum a 27.

“Tomo nota do anúncio de dois Estados-membros – Espanha e Irlanda – e pela Noruega de reconhecerem o Estado da Palestina. No quadro da política externa e de segurança comum, vou trabalhar sem descansar com todos os Estados-membros para promover uma posição comum na UE baseada na solução dos dois Estados”, escreveu Josep Borrell na rede social X (antigo Twitter).

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, anunciou esta quarta-feira que o país vai reconhecer o Estado da Palestina em 28 de maio, próxima terça-feira.

Dublin e Oslo anunciaram que também vão fazê-lo no decurso da próxima semana.

Estado Palestiniano. Espanha, Irlanda e Noruega avançam com reconhecimento, Joe Biden diz que “só mediante negociações”

Israel repudiou a decisão e convocou os embaixadores dos três países.

Fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros disse esta quarta-feira à Lusa que Portugal mantém a vontade de reconhecer a Palestina como Estado, mas está a tentar obter o maior consenso possível entre os membros da União Europeia (UE).

“É só uma questão de momento”, avançou a mesma fonte, lembrando que Portugal tem uma posição de mediador na UE para esta questão, estando, por isso, “em consultas com vários Estados para alcançar o maior consenso e trazer o maior número de países para a solução” de dois Estados: Israel e Palestina.

O ministério sublinhou ainda que a posição do Governo já foi avançada várias vezes pelo chefe da diplomacia portuguesa, Paulo Rangel, e segue a linha do executivo anterior.

Numa entrevista dada ao jornal espanhol El Pais no dia 12, Paulo Rangel avançou que o Governo português não ia juntar-se agora a Espanha para reconhecer a soberania do Estado da Palestina, explicando estar à espera “do momento mais oportuno para dar esse passo”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos