820kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

PSP detém manifestantes pró-Palestina que ocuparam NOVA Medical School em Lisboa

O protesto que contou com alunos barricados numa sala de aula da faculdade foi desmobilizado. O movimento "Fim ao Fóssil" denunciou agressões, depois de tentar impedirem a passagem da autoridades.

A porta-voz da ação, Joana Fraga, reiterou o seu dever, como estudante de medicina, de "agir perante o sofrimento humano"
i

A porta-voz da ação, Joana Fraga, reiterou o seu dever, como estudante de medicina, de "agir perante o sofrimento humano"

Instagram/Ocupa.fbaul

A porta-voz da ação, Joana Fraga, reiterou o seu dever, como estudante de medicina, de "agir perante o sofrimento humano"

Instagram/Ocupa.fbaul

Siga o nosso liveblog sobre o conflito israelo-palestiniano

Os manifestantes que ocuparam esta segunda-feira a NOVA Medical School, em Lisboa, foram detidos pela PSP, adiantou esta terça-feira o movimento que exige o cessar-fogo em Gaza e o fim dos combustíveis fósseis em Portugal até 2030.

Catarina Bio, assessora do movimento estudantil “Fim ao Genocídio, Fim ao Fóssil”, referiu à agência Lusa que o protesto naquela faculdade foi desmobilizado, mas que os manifestantes iam realizar uma vigília na esquadra da PSP para onde os cinco estudantes detidos foram transportados.

Depois de os ativistas no interior da faculdade terem sido detidos, os manifestantes que estavam à porta bloquearam as duas entradas para o edifício, para impedir a passagem das carrinhas da PSP, de acordo com a mesma fonte.

Catarina Bio contou ainda que a polícia abriu caminho por um dos lados da estrada e denunciou agressões com bastões e a retirada de um telemóvel a uma manifestante que captava imagens.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Comando Metropolitano da PSP de Lisboa (Comtelis) confirmou à Lusa, pelas 1h00, a detenção de ativistas na faculdade, sem especificar quantos ou a forma como decorreu a operação, remetendo informações para mais tarde.

Estudantes barricaram-se em sala da NOVA Medical School

Estudantes da NOVA Medical School ocuparam esta segunda-feira o edifício da faculdade, em Lisboa, exigindo o “cessar-fogo imediato e incondicional” na Faixa de Gaza e o fim da utilização de combustíveis fósseis em Portugal até 2030.

O protesto, associado ao movimento ‘Fim ao Genocídio, Fim ao Fóssil‘, que já ocupou três outras faculdades em Portugal, conta com estudantes da NOVA Medical School e da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), também da Universidade Nova de Lisboa, alvo de uma ocupação nas últimas duas semanas.

Edifícios invadidos, aulas suspensas e a promessa de continuar até um cessar-fogo em Gaza. O que se passa nas universidades portuguesas?

“Durante todo o dia, polícias impediram a entrada aos manifestantes nas entradas da faculdade. Alguns dos estudantes conseguiram entrar e barricaram-se numa sala, enquanto vários apoiam no exterior”, explicou este movimento, em comunicado.

Imagens divulgadas num canal na rede social Telegram deste movimento mostram manifestantes barricados numa sala e a mostrar bandeiras da Palestina e tarjas numa varanda.

Os manifestantes reivindicam à faculdade, em relação à guerra na Faixa de Gaza, a “divulgação e transparência sobre todos os acordos entre esta instituição e instituições do “Estado de Israel, assim como a interrupção de todas as parcerias em curso“, salientaram no comunicado.

Para Joana Fraga, estudante de Medicina e porta-voz desta ação, os alunos desta faculdade aprendem o dever de “agir perante o sofrimento humano“.

“É isso que estamos aqui fazer, e não há sítio onde isso faça mais sentido do que numa escola médica. É esta instituição que nos incute esses valores. É isso que nos exigem neste espaço, é isso que estamos a exigir neste espaço: o fim de todo o massacre e de todas as mortes a que temos assistido às mãos de um sistema de exploração”, sublinhou, citada na nota.

Já Teresa Núncio, estudante da NOVA Medical School, alertou para um “genocídio em direto” com “hospitais dizimados, centenas de profissionais de saúde assassinados, escassez de medicamentos e de equipamento médico, falta de acesso a comida e a água potável”.

“Como futuros profissionais de saúde é nosso dever tomar uma posição e resistir contra as instituições que estão a permitir este genocídio”, sublinhou.

Os manifestantes alertaram também para “os avisos dos médicos e cientistas, para o aumento da frequência e gravidade de desastres climáticos e para o seu impacto que terão na saúde pública”.

Estamos a falar de uma crise humanitária. Cada vez mais nos confrontaremos com níveis inimagináveis de vulnerabilidade. É assustador pensar que não vamos estar preparadas para isso, que nenhum Serviço Nacional de Saúde está preparado para dar resposta àquilo que será o colapso civilizacional decorrente da crise climática e nenhum curso de medicina é capaz de me preparar para a doença que teremos em mãos”, acrescentou Teresa Núncio.

Este movimento apelou ainda, no comunicado, para a participação, em 8 de junho, numa manifestação com início no Príncipe Real, que, no “contexto das eleições europeias em curso nesse momento, procurará também reivindicar o fim do genocídio na Palestina e o Fim ao Fóssil em Portugal até 2030”.

 
FLASH SALE
Assine o Observador a partir de 0,12€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

FLASH SALE - Assine o Observador
a partir de 0,12€/ dia
FLASH SALE Assine o Observador
a partir de 0,12€/ dia
*exclusiva para novos assinantes