Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Se o Jürgen é a pessoa certa para o Liverpool? A palavra certa é: absolutamente. Tudo é natural. Nada é forçado. Ele não faz nada só para parecer bem. É naturalmente cativante. Aumenta o nível de energia de uma sala assim que entra. É grande e imponente. É um homem que abraça. E faz todas estas coisas porque lhe são naturais. Ele não pensa: ‘Vou abraçar o staff e os jogadores’. Fá-lo porque se preocupa com as pessoas. Este é o Jürgen Klopp. E encaixa-se perfeitamente”.

As palavras são de Ian Ayre, antigo CEO do Liverpool que se sentou ao lado de Jürgen Klopp no dia em que o treinador alemão foi apresentado como o novo treinador do Liverpool. O discurso premonitório de há quase cinco anos tem nesta sexta-feira, o dia seguinte à confirmação da conquista da Premier League por parte do Liverpool, uma importância maior. Em poucas frases, e com uma certeza e uma tranquilidade acima da média para quem está a falar de um treinador que nunca tinha trabalhado em Inglaterra, Ian Ayre mostrou ter total confiança em Klopp. Seria o treinador do futuro, o treinador de uma geração, um dos treinadores mais importantes da história do clube. E Klopp aceitou o desafio porque sabia que o poderia cumprir.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.