Costa: mais à esquerda que Tsipras e que Hollande

27 Setembro 2014562

Mais à esquerda, menos autoritário. Há um ano, o Observador pediu a Costa que respondesse ao questionário do "Political Compass". Os resultados são hoje ainda mais relevantes.

António Costa é um socialista mais à esquerda que Dalai Lama ou que Alexis Tsipras, mas menos autoritário que estes dois. Pelo menos a avaliar pelas respostas que deu ao inquérito do site “Political Compass“, quando desafiado pelo Observador antes das eleições primárias do partido que o levariam a líder, em 2014. 

A escala que o site usa, faz uma divisão entre setores, tanto em termos de valores como da visão económica.

Escala

E, tendo em conta as respostas que António Costa deu ao Observador, está, tanto em termos económicos como de valores, à esquerda do centro. Bem à esquerda, situando-se no quadrante da “esquerda libertária”.

Rsultado Costa

Gráfico com o posicionamento de António Costa, na escala do Political Compass

E tão à esquerda que, quando comparado com outros políticos que já foram analisados pelo Political Compass, consegue ficar mais à esquerda que, por exemplo, Dalai Lama, ou que o líder do SYRIZA, partido da esquerda radical da Grécia.

dalai lama

Exemplos mostrados no site Political Compass

O que quer isso dizer?

Em termos de política internacional, ou como se vê o país no mundo, António Costa defende que a globalização económica deve servir a humanidade ou que não há raças superiores. Mas, talvez pelo seu passado à frente do Ministério da Administração Interna (MAI), difere de outros socialistas quando responde que apoiaria sempre Portugal, independentemente de o país estar certo ou errado, ou que às vezes se justificam ações militares que desafiem o direito internacional. Em 2004, em resposta ao mesmo inquérito publicado no “Público”, nenhum dos três candidatos ao lugar de Ferro Rodrigues (então secretário-geral do PS), João Soares, Manuel Alegre e José Sócrates responderam positivamente a esta última questão.

inquerito_costa_politica_internacional

E se António Costa tem defendido que quer combater o desemprego, foi isso mesmo que respondeu quando a pergunta era se controlar os preços é mais importante que controlar o desemprego. Tendo em conta o posicionamento político, Costa defendeu dois bastiões da esquerda: que o protecionismo na economia é necessário muitas vezes no comércio internacional e ainda que os ricos pagam poucos impostos.

inquerito_costa_economia_financas

A economia globalizada está muito dependente dos mercados, e António Costa defende que é necessário restringir certas multinacionais “predatórias” e como socialista não podia deixar de ser contra o posicionamento liberal de que “quanto mais livre o mercado, mais livre as pessoas”.

inquerito_costa_papel_mercados

No que diz respeito aos valores, António Costa dá respostas díspares. Se não concorda que a coisa mais importante para as crianças é aceitar a disciplina, também aceita a posição polémica de dizer que “os bons pais têm por vezes de bater nos filhos para os ensinarem a distinguir o certo do que está errado”.

Além disso, e aqui pode ser mais uma vez a passagem pelo MAI a falar, diz que discorda “que toda a autoridade deve ser questionada”.

inquerito_costa_valores02

António Costa tem uma visão socialista e libertária da sociedade no que às questões sociais e políticas diz respeito. Não concorda com a pena de morte, nem que quem é culpado de crimes deva ser mais castigado do que reabilitado. Além disso não concorda que as mulheres que têm carreiras devem, mesmo assim, dar mais atenção ao lar ou que um empresário seja mais importante que um artista. Mas difere de outros socialistas quando diz que concorda que é importante que nos devemos “reconciliar com a norma estabelecida”.

inquerito_costa_questoes_sociais_politicas

O candidato às eleições primárias do PS não é nada religioso. Não acredita numa ligação entre moral e religião nem concorda que se deva incutir valores religiosos às crianças.

inquerito_costa_religiao

E por fim, no que respeita a questões da esfera íntima das pessoas, António Costa tem uma posição menos avant-garde que alguns socialistas ao dizer que considera “imoral” sexo fora do casamento.

inquerito_costa_adocao_vida_intima

O candidato a líder do PS tem dito que se for para o Governo irá tentar um governo de esquerda. Se o resultado do “Political Compass” o mostra à esquerda, não terá diferenças ideológicas substanciais para com os partidos com quem quererá coligar-se.

Nota: Este artigo foi publicado pela primeira vez em 27 de setembro de 2014. Na altura, o Observador desafiou os dois candidatos às eleições primárias do PS a responderem ao inquérito, para avaliar como se situavam em termos de economia e de valores. O autarca de Lisboa respondeu. António José Seguro não teve disponibilidade para responder às questões. Os dois foram contactados em julho de 2014.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)