Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em Portugal, a 3 de outubro, falava-se em mais 10 anos de Web Summit e num novo unicórnio com ADN português, a Talkdesk. Contudo, em Paris, o que acontecia em Lisboa nem era tema de conversa. O maior evento de tecnologia do mundo, a CES [Consumer Electronic Show], teve uma pré-apresentação, liderada pelo responsável do evento, Gary Shapiro. O executivo é considerado constantemente uma das pessoas mais influentes em Washington D.C.. Em conversa com o Observador, o presidente executivo da CTA (Consumer Technology Association) assumiu sem rodeios que não aposta que a União Europeia vá ser líder na inovação.

CES 2018. A maior feira de tecnologia do mundo em sete novidades

No passado, Gary Shapiro, jurista de formação, fez parte da equipa que levou a Sony e outras eletrónicas a poderem continuar a vender gravadores de vídeo domésticos (alguma editoras eram contra), com o “caso Betamax”. Contudo, é por estar à frente da CTA que Gary Shapiro é uma das pessoas que se tem de conhecer na indústria tecnológica. A CTA tem membros como a Amazon, a Apple, a Google ou a Microsoft, além de mais de duas mil tecnológicas, pelas quais faz lobbying nos Estados Unidos e Canadá.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.