Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Chama-se “Compromisso com a Justiça — Um Compromisso por Portugal!”, tem uma frase típica de uma negociação como pano de fundo (“versão para análise”), a imagem de umas mãozinhas a simularem um aperto de mão, algumas propostas concretas que têm tanto de polémico como de revolucionário e muitas propostas vagas. Era um pacto para a Justiça que o PSD de Rui Rio propôs a todos os partidos com assento parlamentar mas que, aparentemente, ninguém parece estar interessado em negociar.

Ao Expresso, que divulgou parcialmente o documento no último sábado, fontes de diversos partidos partidos parlamentares estranharam o método escolhido por Rui Rio para tentar um acordo: terá pedido total confidencialidade ao entregar o documento da reforma e solicitou a nomeação de um perito para um grupo técnico que consensualizaria uma proposta conjunta.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.