817kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

i

Gustavo Bom / Global Imagens

Gustavo Bom / Global Imagens

Portugal e os mercados. Alguém liga ao Orçamento?

O Orçamento está a ser elaborado quando Portugal sente o calor dos holofotes dos mercados. Mas é para o rating e para o BCE que todos olham. O OE pode ser uma "oportunidade para ganhar credibilidade".

Aos olhos dos investidores que formam os mercados, Portugal tem um risco maior de não pagar a dívida do que o Brasil e Chipre. É isso que mostram os preços dos chamados credit default swaps, os seguros que protegem os credores se houver calote. Estes instrumentos são um indicador de risco melhor do que os juros da dívida, sobretudo nestes tempos invulgares em que o banco central está no mercado a ensacar títulos diariamente. Mas mesmo esses juros escalaram, apesar das compras pelo BCE, até aos níveis mais elevados de vários meses. Está longe de ser famoso o contexto em que o Governo ultima a Proposta de Orçamento do Estado. E é difícil antecipar dias melhores, porque o pessimismo dos investidores já se transformou em algo bem pior: indiferença.

Vem de vários lados a pressão sobre o executivo de António Costa neste período de preparação do Orçamento do Estado. A(s) esquerda(s) que suporta(m) a maioria parlamentar, a Comissão Europeia, o Fundo Monetário Internacional, o Presidente da República e as agências de rating são algumas das peças de um puzzle complexo. Ainda assim, ao contrário do que aconteceu no passado, de onde parece agora vir menor pressão é dos mercados. Depois de vários anos de escrutínio apertado, os analistas e investidores já não olham com a mesma ansiedade para o Orçamento do Estado. Será isso sinónimo de maior tranquilidade?

“Não necessariamente. Mas podemos dizer que, no que diz respeito a Portugal, os investidores estão mais interessados no médio e longo prazo do que no curto prazo. No curto prazo, os analistas vão olhar para os números principais do Orçamento, para o défice e para algumas análises que forem feitas nos dias seguintes. Mas numa primeira fase o mais importante será ver se há uma luz verde por parte dos credores europeus“, isto é, por um lado, a Comissão Europeia e, por outro, os ministros das Finanças do Eurogrupo. A descrição é feita, ao telefone a partir da City de Londres, por Orlando Green, analista do Crédit Agricole para mercados de dívida pública.

LONDON, ENGLAND - JANUARY 27: The More London commercial estate (foreground), Tower Bridge and Canary Wharf, seen from the View from The Shard on January 27, 2014 in London, England. A study has found that one in three 22-30 year olds are leaving their hometowns to move to the capital, which creates ten times as many private sector jobs as any other city. (Photo by Matthew Lloyd/Getty Images)

“Os investidores e analistas não estão a prestar muita atenção ao Orçamento, mas querem ver cumprimento das regras europeias”, diz Orlando Green, analista do Crédit Agricole em Londres. (Foto: Matthew Lloyd/Getty Images)

Por outras palavras, mais importante do que os contornos concretos do Orçamento (que poucos irão gastar tempo a escrutinar) é o seguinte: seja o que for que o Governo apresente em Bruxelas, o que importa para os investidores é que Bruxelas e os governos europeus lhe deem a sua bênção. Essa é a chave para tudo: para que o rating da DBRS não caia, para que o BCE continue a comprar e para que os investidores se sintam mais confiantes na sustentabilidade da dívida pública nacional — fazendo fé de que boa parte dessa dívida está nos fundos europeus e, portanto, enquanto houver sintonia entre Lisboa e Bruxelas, essa dívida gozará sempre de condições especiais e não irá atrapalhar o pagamento da outra dívida, a devida aos investidores privados.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Um ano a divergir dos juros de Espanha, apesar das compras de dívida pelo BCE

GSPT10YR Index (PORTUGUESE GOVER 2016-10-07 10-19-45

Espanha paga cerca de 1% para se financiar a 10 anos. Portugal mais de 3,5%. A divergência acentuou-se no final de junho, após as segundas eleições espanholas indicarem que Mariano Rajoy teria boas probabilidades de voltar a ficar no Governo.

Apesar de a zona euro viver tempos inéditos, por força da política monetária levada a cabo pelo BCE, o risco de Portugal continua elevado e os bancos de investimento parecem pouco dispostos a recomendar aos seus clientes a aposta na dívida portuguesa. Nem mesmo com taxas de 3,5% num mundo de juros ultra-baixos ou negativos. Ainda há poucos dias, o influente banco suíço UBS desaconselhou o investimento nas Obrigações do Tesouro, simplesmente, porque “não vale o risco“.

O resultado de recomendações como esta é, portanto, a indiferença e um mercado de dívida com cada vez menos participantes, o que o torna menos apetitoso ainda. Os analistas do banco holandês Rabobank olharam para alguns indicadores de transações em dívida portuguesa (que ocorrem, sobretudo, fora de bolsa e, portanto, não é fácil quantificar o volume diário de transações) e chegaram a uma conclusão: “Os volumes estão, novamente, quase a regressar aos níveis que se viam quando Portugal estava sob resgate”, afirma o Rabobank.

Fonte: Rabobank

Os cálculos do Rabobank tentam quantificar a “indiferença” dos investidores face à dívida portuguesa. Gráfico: Rabobank

Orlando Green é um dos especialistas em mercado de dívida com quem o Observador falou nos últimos dias e que falam desta indiferença dos investidores em relação a Portugal. Outro, um português outrora ligado ao Tesouro, diz que essa indiferença, que se acentuou na primavera, começa a traduzir-se em dificuldade de acesso ao mercado. “Há quanto tempo é que Portugal não avança com uma emissão sindicada de dívida pública?

A resposta a esta questão é 14 de janeiro, há quase nove meses. Foi nesse dia que o Tesouro português emitiu, pela última vez, um grande lote de obrigações (4 mil milhões de euros) numa operação montada junto dos principais investidores internacionais. É sintomático, para este especialista, o facto de a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) estar a limitar-se a pequenos leilões de dívida oportunísticos, sempre com a intenção de satisfazer a procura dos investidores por títulos que podem, poucos dias depois, ser vendidos ao Banco Central Europeu (BCE). Sem o efeito digestivo das compras do BCE, o acesso ao mercado por parte de Portugal poderia já estar comprometido, acredita a mesma fonte.

Um português outrora ligado ao Tesouro português, pergunta: "Há quanto tempo é que Portugal não avança com uma emissão sindicada de dívida pública?". Sem o efeito digestivo das compras do BCE, o acesso ao mercado por parte de Portugal poderia já estar comprometido.

Orçamento pode ser “oportunidade para o governo ganhar credibilidade”

Existe indiferença dos investidores em relação à dívida portuguesa e o Orçamento do Estado poderá ser uma oportunidade para combater essa indiferença. “Os investidores querem ver sinais de que o Governo tem a ambição de fazer reformas da economia e do Estado e cortar na despesa pública“, diz Orlando Green. Mais austeridade, portanto? “Não vejo a questão dessa forma. Muitos investidores já não estão tão focados na austeridade e em metas rígidas para o défice. Mas é verdade que existe uma preocupação nos mercados sobre a disponibilidade deste Governo, apoiado pela extrema-esquerda, para endireitar as contas públicas e tornar o país competitivo“.

Daí que o analista do Crédit Agricole em Londres diga que o Governo tem neste orçamento uma “oportunidade para ganhar credibilidade” perante os investidores internacionais. Há muito espaço para melhorar esses índices de credibilidade, diz Orlando Green, que antecipa uma “pequena derrapagem” face às metas do défice e tem algumas dúvidas sobre o ponto de partida para este ano:

"Os números [da execução orçamental] que temos visto até agora são 'okay', mas é difícil tirar uma conclusão sobre o cumprimento (ou não) da meta do défice", diz Orlando Green, que recua um pouco mais: "as medidas orçamentais anunciadas pelo governo (ou falta delas) e a meta original do défice não batiam a bota com a perdigota".
Orlando Green, analista em dívida pública pelo Crédit Agricole.

A “preocupação dos investidores com o equilíbrios de poderes” no Parlamento português, sublinhada pelo analista do Crédit Agricole, liga-se a um dos receios expressos pela decisiva agência de rating DBRS na quinta-feira: um Governo que “marca passo” nas reformas. Sem reformas do Estado e da economia, não irá existir investimento interno e externo que permitam ao país tornar-se mais competitivo, têm alertado a DBRS e as outras agências de rating.

Quem partilha esta mensagem, amiúde, é a imprensa financeira internacional. No início de setembro, citando empresários nacionais, o Financial Times partilhou com os seus muitos e influentes leitores que “o Governo português tem maior apetite por anunciar medidas anti-austeridade, para agradar às massas, do que medidas de reforma com o objetivo de tornar o setor público mais eficiente e incentivar o investimento”. Esta é a mensagem que chega aos investidores internacionais, que pode ser tão ou mais importante do que uma decisão sobre esta ou aquela rubrica orçamental.

Por outro lado, dada a importância do programa de compras de dívida pelo BCE, o grau de acesso ao mercado (e o preço a que o país se financia) vai estar muito dependente das notícias sobre a duração do programa e sobre se Portugal vai continuar a beneficiar, em pleno, das compras que o banco central efetua. Os analistas apontam que, devido a limitações auto impostas pelo regulamento do programa do BCE, está a acumular-se um desvio entre aquilo que o BCE deveria comprar em dívida portuguesa e aquilo que tem vindo a adquirir nos últimos meses.

Porém, quer termine em março de 2017 ou mais tarde, o programa do BCE não irá durar para sempre. E, a dada altura, Portugal voltará a ter de apoiar-se nos seus próprios méritos para atrair investidores e manter o acesso ao mercado de financiamento pelos seus meios, isto é, evitando um novo resgate financeiro. Com os ratings quase todos em lixo, Portugal está fora dos principais índices de obrigações e está remetido a alguns fundos de mercados emergentes, daí que a “recuperação da credibilidade” de que fala o Crédit Agricole implique, diz Orlando Green, aproveitar a “oportunidade” que é a Proposta de Orçamento do Estado para 2017.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos