As taxas de juro da dívida portuguesa subiram esta sexta-feira para o valor mais elevado desde fevereiro, com as últimas declarações da agência DBRS a aumentarem o nervosismo dos investidores em antecipação à decisão da agência de rating prevista para daqui a duas semanas. A agência de notação financeira alertou que Portugal está preso num “círculo vicioso” de reformas empatadas, crescimento baixo e dívida sufocante, o que foi visto pelos investidores como um sinal de que pode vir aí, pelo menos, uma despromoção da chamada perspetiva do rating, atualmente em estável, para negativa.

Segundo a Bloomberg, os investidores transacionaram entre si dívida pública portuguesa a 10 anos com uma taxa de 3,569%, um máximo desde os meses em que foi pública a negociação dura entre o governo português e a Comissão Europeia sobre o Pacto de Estabilidade e Crescimento. Em entrevista ao Observador, em março, a DBRS disse que essa subida de fevereiro foi um “aviso claro” dos mercados de que Portugal está vulnerável apesar das compras mensais de dívida pública portuguesa.

GSPT10YR Index (PORTUGUESE GOVER 2016-10-07 10-19-16

O juro da dívida pública nos mercados superou, finalmente, os 3,5% depois de várias vezes, ao longo dos últimos meses, ter-se aproximado desse valor mas nunca o ter superado de forma decisiva. Esse pode ser um mau augúrio para a dívida portuguesa, porque a atenção de muitos investidores pode voltar a virar-se para a próxima fasquia a superar. Em fevereiro, as taxas ascenderam até à região dos 4,5%.

A subida dos juros de Portugal ocorre numa altura em que continua a haver um alívio dos juros em Espanha (linha amarela).

GSPT10YR Index (PORTUGUESE GOVER 2016-10-07 10-19-45

Em nota enviada esta manhã aos investidores, os analistas do holandês Rabobank dizem que “Portugal tem estado a receber algum feedback negativo por parte da DBRS”. O aviso de quinta-feira “deverá continuar a pesar na dívida portuguesa até que a reavaliação seja concluída, a 21 de outubro, já que a DBRS é a única agência reconhecida pelo BCE que ainda atribui um rating de investimento de qualidade a Portugal”.